Os benefícios de utilizar aquecedores solares no meio rural

Atualmente, com as frequentes discussões que giram em torno do fim dos combustíveis fósseis e com o aumento cada vez mais frequente das tarifas de energia doméstica, alternativas de energias renováveis e sustentáveis ganham cada vez mais espaço. Nessa perspectiva, temos a energia solar térmica, utilizada para o aquecimento da água com baixos custos e impactos ambientais.

Essa iniciativa reduz, em especial, o uso do chuveiro elétrico, que é um dos grandes vilões do gasto de energia em residências, o que incide diretamente na economia, com a redução de até 40% do valor da conta de energia elétrica, dependendo da região do país em que o sistema é instalado.

Além disso, nos locais em que não há energia elétrica, como no meio rural, por exemplo, a utilização de aquecedores solares é uma alternativa a se considerar, devido às suas diversas vantagens.

Deseja saber um pouco mais sobre o assunto? Continue a leitura!

Saiba como funciona o aquecedor solar

Também chamado de painel solar térmico, o aquecedor solar é utilizado somente para o aquecimento de água, a chamada energia térmica (energia armazenada em forma de calor).

O aquecedor usa a energia solar para aquecer os coletores solares, que são placas que têm como objetivo concentrar e absorver a radiação do sol, para que, dessa forma, o calor seja amplificado.

Quanto maior forem as placas solares, mais rápido será o poder de aquecer a água. O material do que a placa é feita também deve ser de cor escura, pois quanto mais escuro, maior é a absorção da energia solar.

Os coletores solares possuem tubulações por onde a água irá circular e, ao fazer isso, absorver a energia térmica. As tubulações são ligadas a um reservatório térmico chamado de Boiler.

A água dentro do reservatório sofre uma divisão causada pela diferença de densidade, onde a água quente fica na superfície e a água fria fica no fundo. A água armazenada no reservatório é mantida quente para que seja usada quando necessário.

Para que o reservatório seja mantido sempre abastecido, ele pode ser alimentado de água fria por uma caixa d’água da casa.

Há reservatórios de diferentes capacidades para atender as mais diversas necessidades. Por exemplo, uma casa em que há muitos moradores precisa de um reservatório maior do que uma em que moram poucas pessoas.

Uso do aquecimento solar no meio rural

No meio rural, assim como na cidade e nas indústrias, esse sistema é bastante útil, em especial nas áreas mais frias, como na região Sul e Sudeste do Brasil.

Desse modo, no campo, o aquecimento térmico da água pode ser usado para:

  • Banhos no chuveiro elétrico;

  • Lavagem de louças e roupas nas torneiras;

  • Limpeza de equipamentos de trabalho, como os de ordenhas, por exemplo.

O preço inicial do sistema de aquecimento solar pode até ser alto, mas, rapidamente, ele é compensado pela economia na conta de energia.

Ainda, os aquecedores solares são um investimento ecológico — é muito importante que iniciativas de prevenção ao meio ambiente sejam aplicados no meio rural.

Se você deseja implantar aquecedores solares e, com isso, usufruir de todos os benefícios dessa estrutura, em especial a economia, clique aqui para saber o que levar em consideração ao comprar um aquecedor solar, e lembre-se de que a Kisol é uma empresa brasileira que comercializa e instala aquecedores solares em todo o país!

 

Você sabe quanto custa seu banho?

Tomar banho é um dos hábitos mais comuns e corriqueiros em nosso dia a dia. Mas você sabe quanto custa aquele banho gostoso, no início ou no final do dia? Sabia que o consumo de energia envolvido pode mexer com seu orçamento? Leia abaixo e entenda como aproveitar o tempo no chuveiro e reduzir os gastos!

Prestar atenção no tempo que cada morador da casa gasta no chuveiro pode ser útil para equilibrar as contas. Segundo a  AES Eletropaulo, empresa responsável pela energia na região metropolitana de São Paulo, o banho quente é responsável por 30% dos gastos com energia.  Para abaixar os gastos, é interessante rever o tipo de aquecimento utilizado em sua casa e tentar reduzir o tempo gasto.

Como reduzir os gastos com o banho?

Para economizar energia e água, os moradores devem adotar novos hábitos na hora de tomar banho. Um deles é desligar o chuveiro enquanto usa o sabonete ou passa xampu ou condicionador no cabelo. Na hora de enxaguar, seja rápido e não fique com a água aberta muito tempo. Especialistas calculam que para cada minuto de banho, são consumidos dez litros de água, e que uma média aceitável seriam de oito a dez minutos de banho.

Bandeiras tarifárias

A economia de luz passou a constar na pauta do dia para os brasileiros recentemente, com a implementação das bandeiras tarifárias, que são acionadas para aumentar ou reduzir o valor do Kwh gasto de acordo com o consumo. Isto aconteceu pelo aumento no uso das termoelétricas, que implicam um custo da energia maior do que aquela produzida pela água, nas hidrelétricas. O uso das bandeiras tarifárias varia de acordo com a região do país. A bandeira verde representa que as condições de geração de energia estão favoráveis, sem aumento. A bandeira amarela mostra que as condições estão menos favoráveis, e que será necessário um aumento de tarifa de R$ 0,015 para cada quilowatt-hora (kWh) consumido. Já a bandeira vermelha possui dois níveis: no patamar 1, a tarifa recebe um aumento de R$ 0,030 para cada quilowatt-hora kWh consumido e, no segundo patamar, a tarifa aumenta R$ 0,045 para cada quilowatt-hora kWh consumido.

Tipos de aquecimento

Atualmente, os tipos de aquecimento disponíveis no mercado são o aquecimento elétrico, o solar e o à gás. Segundo o Centro Internacional de Referência e Reuso da Água da USP, para o mesmo tempo de banho, o  que utiliza o aquecimento solar apresentou o menor custo,  de R$ 0,35 em um banho de oito minutos. O aquecimento à gás sai por R$ 0,58 e o aquecimento elétrico é o mais caro, por R$ 0,78, para o mesmo tempo de banho.  

Nesse contexto, instalar um serviço de aquecimento solar em  uma construção não é mais um serviço caro e complexo de ser feito. Companhias como a Kisol instalam equipamentos que aquecem a água para o banho, gerando economia no uso de energia.  

Agora que você já sabe quanto custa seu banho, saiba mais sobre como economizar água e energia durante seu banho, lendo outro artigo sobre o tema em nosso blog. 

Energias alternativas: quais as vantagens do uso delas?

A energia é essencial em nossas vidas. Porém, há um grande problema relacionado a essa necessidade. Grande parte da geração de energia mundial está baseada na utilização de recursos não-renováveis (petróleo, gás natural e carvão, principalmente). E o que isso significa? Como o próprio nome já diz, eles não se renovam e, um dia, se esgotarão. Além disso, a exploração e queima desses recursos agride tremendamente o meio ambiente.

Por isso, a cada dia que passa, mais pessoas, governos e empresas têm voltado sua atenção às energias alternativas. Elas são a única forma viável capazes de manter o abastecimento energético da Terra sem o risco de colapsar o sistema e a natureza.

Quer saber sobre as energias alternativas e suas vantagens? Continue lendo o post de hoje e confira!

O que são energias alternativas?

São fontes naturais de geração de energia que podem ser utilizadas como alternativas ao uso das fontes tradicionais. A grande maioria das energias alternativas é proveniente de fontes renováveis, ou seja, que não se acabarão nunca. Essa característica, além de ser uma segurança para o abastecimento das gerações futuras, reduz imensamente os impactos ao meio ambiente. Confira abaixo os principais tipos de energias alternativas:

  • Eólica: gerada a partir da força dos ventos;
  • Solar: gerada a partir dos raios solares;
  • Geotérmica: gerada a partir do calor proveniente do núcleo da Terra;
  • Mare motriz (dos mares): gerada a partir da força das ondas;
  • Biomassa: obtida a partir da matéria orgânica de origem vegetal (cana-de-açúcar, por exemplo);
  • Nuclear: gerada por meio da fissão nuclear do átomo de urânio enriquecido;
  • Biogás: gerada a partir dos gases emitidos pela decomposição de resíduos orgânicos.

Quais as vantagens das energias alternativas?

Além do fato já citado, de as energias alternativas serem provenientes de fontes renováveis, o que garante sua utilização teoricamente infinita, grande parte dos recursos alternativos não polui o meio ambiente.

As energias renováveis também são uma maneira super eficiente e ecológica de nos tornarmos independentes da energia proveniente das fontes não-renováveis. E isso tanto em relação a de governos e cidades quanto a indivíduos e famílias que adotam os sistemas em suas casas.

A longo prazo, isso significa uma contribuição efetiva para a sustentabilidade do planeta e uma economia financeira considerável. Isso porque, apesar de um custo de instalação relativamente alto, a economia na conta de energia é tanta que o investimento se paga em pouquíssimo tempo.

Qual a melhor opção de energia alternativa para se ter em casa?

Sem dúvida, a energia solar. Os outros tipos de energias alternativas, apesar de também eficientes, não foram projetados para serem instalados em residências e demandam maquinários e equipamentos incompatíveis com espaços urbanos.

A geração de energia solar se baseia na utilização da radiação solar (inesgotável e infinita), que é captada  e convertida em calor, utilizado para aquecer a água, ou então em energia elétrica (por meio de painéis fotovoltaicos). Dependendo do dia e da região do país, é possível que a energia gerada supere a demanda da residência. O excedente gerado é, então, compartilhado com a rede pública, o que gera créditos junto à companhia. Isso pode, até mesmo, zerar a conta de energia elétrica!

Gostou desse conteúdo? Ainda restou alguma dúvida sobre energias alternativas ou gostaria de compartilhar alguma opinião sobre o assunto? Comente aqui e conte pra gente!

Veja os aparelhos que mais gastam energia na sua casa

Hoje em dia, os sucessivos ajustes tarifários sobre a energia elétrica fazem com que seja quase inevitável o acréscimo na fatura do fim do mês. Para mudar esse cenário, economizar a energia do nosso dia a dia e desenvolver hábitos de consumo consciente são ações importantes.

Continue acompanhando este artigo e veja dicas importantes para economizar e reduzir a conta de luz. Saiba também quais os aparelhos que mais consomem energia e aumentam sua fatura!

Dicas importantes

Uma dica muito importante é deixar os aparelhos funcionando adequadamente. Dessa forma, deve-se realizar a manutenção dos equipamentos sempre que for necessário. Uma geladeira com vedação da porta inadequada fará com que o consumo de energia seja maior.

Os aparelhos como computadores, televisores e rádios devem ser desligados da tomada. Quando contrário, a luz do aparelho fica ligada (em modo stand by), consumindo energia. Por mais que seja pouco, é um detalhe que diminuirá a fatura do mês.

Outras dicas são: substituir as lâmpadas incandescentes por fluorescentes ou LED; adquirir eletrodomésticos com selo Procel A, que indica um menor consumo de energia e maior eficiência; verificar se portas e janelas estão bem fechadas e vedadas para casos de uso do ar-condicionado.

Aparelhos que mais gastam energia: quanto consome cada um?

Para evitar o susto e alcançar a economia desejada na conta de luz, é importante conhecer os aparelhos que mais gastam energia. Com o intuito de ajudar você, fizemos uma lista do consumo de energia de alguns aparelhos que influenciam e muito na fatura do fim do mês. Para o cálculo do valor, usamos como base as tarifas da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), adotando um preço médio de R$ 0,43 por KWh.

Ar-condicionado 12.000 BTUs

Este aparelho, considerado com 1.400 Watts de potência e usado por 7 horas no dia, pode ser responsável pelo consumo mensal de 294 kWh da energia, resultando em R$ 126,42 na sua fatura.

Ar-condicionado 12.000 BTUs Split

Com 1.120 Watts de potência e sendo utilizado por 7 horas no dia, pode ser responsável pelo consumo de 235,20 kWh no mês, o que equivale a R$ 101,14.

Cooktop elétrico

Este novo tipo de fogão de mesa pode chegar a gastar em torno de 68,55 kWh de energia por mês, baseando-se na sua utilização diária de 1 hora, o que soma na conta de luz R$ 29,48.

Geladeira

Aparelhos como a geladeira estão sempre ligados, porém consomem energia somente quando o motor está funcionando, o que ocorre quando necessitam repor o frio. Dessa forma, abrir e fechar a geladeira faz com que a reposição do frio seja mais constante, aumentando a conta de luz.

Uma geladeira de duas portas frost-free gasta em torno de 56,88 kWh por mês, o que equivale a R$ 24,46. Já uma geladeira de uma porta gasta, aproximadamente, a metade dessa energia.

Chuveiro

No verão, o chuveiro está normalmente programado para uma temperatura menor, fria. Assim, um chuveiro com 3.200 Watts de potência, durante um banho de 15 minutos, pode gastar em torno de 24 kWh no mês, equivalentes a R$ 10,32.

Já um chuveiro no inverno, com temperaturas programadas mais elevadas e com potência maior de 5.400 Watts, em 15 minutos de banho, será responsável pelo gasto de 40,50 kWh no mês, que equivalem a R$ 17,42.

Computador

Com 200 Watts de potência e ligado por 5 horas no dia, gasta 30 kWh no mês, o equivalente  a R$ 12,90.

Secador de cabelo

Um modelo com potência de 2.000 Watts, quando utilizado por 15 minutos, gasta 15 kWh no mês, resultando em R$ 6,45 na conta.

Micro-ondas

Considerando um modelo de 1.400 Watts de potência, que funciona 15 minutos por dia, o gasto será de 10,50 kWh no mês, o que equivale a R$ 4,52.

Lavadora de roupas de 10 litros

Com potência de 600 Watts e ligada por 2 horas no dia, é responsável pelo gasto de 36 kWh por mês, equivalentes a R$ 15,48.

Televisão

Uma televisão tubo de 20 polegadas e 150 Watts de potência, quando ligada por 7 horas no dia, gasta em torno de 31 kWh por mês, o equivalente a R$ 13,33. As televisões de monitor LCD gastam aproximadamente 50W a menos, assim ajudam na economia de alguns reais na fatura de luz.

Agora que você já sabe quais são os aparelhos que gastam mais energia na sua casa, é só seguir as dicas e esperar que a conta no fim do mês venha com um valor reduzido, ou pelo menos dentro do esperado.

Quer acompanhar mais dicas como essas? Então curta nossa página no Facebook e fique por dentro!

 

Os 3 principais tipos de lâmpadas para sua casa

Não é curioso pensar que se um texto abordando tipos de lâmpadas fosse escrito há alguns anos, ele não faria o menor sentido? Afinal, as lâmpadas incandescentes eram as únicas que existiam. Naquela época, economizar com a iluminação só era possível se utilizássemos a luz natural, do sol. A ordem era abrir todas as janelas durante o dia e acender as luzes à noite.

Atualmente, tudo mudou, e embora a iluminação natural do sol continue sendo utilizada, já que nada pode ser mais econômico do que ela, a lâmpada incandescente está perdendo cada vez mais espaço para os outros tipos de lâmpadas, fluorescentes e LED. Continue lendo, porque vamos ajudá-lo a escolher a melhor lâmpada para cada ambiente. Acompanhe!

Lâmpadas incandescentes

As lâmpadas antiguinhas que todos temos pelo menos uma em casa, estão cada vez mais em desuso. Elas são pouco eficientes para iluminar o ambiente e apenas 5% de sua energia é liberada em forma de luz, já a porcentagem restante é liberada em forma de calor. Além disso, elas duram bem menos tempo que os outros tipos de lâmpadas, e por isso, seu baixo valor não compensa sua pouca durabilidade em relação às outras lâmpadas.

Como usá-las aproveitando suas características?

Por terem uma luz quente (branco levemente amarelada), tornam o ambiente mais aconchegante, sendo boas para conseguir uma iluminação decorativa e reprodução de cores, além de aquecer o ambiente. Use-as em pendentes, plafons, lustres, abajures, luminárias de piso e arandelas.

Lâmpadas fluorescentes

Atualmente já são bem conhecidas e, provavelmente, as mais usadas nas residências, já que têm alta eficiência aliada ao baixo consumo de energia em comparação com as lâmpadas antigas. Ela não emite calor, e seu aproveitamento na energia luminosa é de 85%.

Quando e como usá-las?

Elas substituem as incandescentes e são utilizadas na iluminação geral e também decorativa.
É importante saber que existem três nuances de luz branca, que são variantes da iluminação branca e esta informação vem na embalagem. Exemplo: se na embalagem da lâmpada houver a informação “quente”, a luz será ligeiramente amarelada; já a palavra “fria” indica que a luz é ligeiramente azulada. Há também a luz branca tradicional, nem amarelada nem azulada, apenas branca.

Além das variantes da cor branca, há lâmpadas fluorescentes de várias cores, perfeitas para vários ambientes, inclusive para alegrar quartos infantis e criar efeitos coloridos interessantes em festas e outras ocasiões.

Lâmpadas de LED

As mais modernas e desejadas lâmpadas são também as mais inteligentes, pois possuem uma tecnologia que converte energia elétrica em luminosa sem desperdício

São também ecologicamente corretas, já que seu consumo de energia é muitíssimo baixo e têm altíssima durabilidade, o que faz compensar seu  custo maior em relação às outras. A tendência é que, com o tempo, elas custem menos por causa da concorrência e da retirada gradual das lâmpadas incandescentes do mercado.

Quando e como usar?

Use-as em substituição às lâmpadas fluorescentes, pois, como já informamos, elas são ainda mais eficientes e duradouras, além de amigas do meio ambiente. Elas ainda não emitem calor

Ainda podem ser utilizadas em spots iluminando enquanto destacam bancadas, cantinhos de leitura e objetos decorativos; assim como em  arandelas para criar efeitos na parede; na iluminação de escadas e corredores; iluminando a parte de dentro de guarda-roupas e ainda iluminam fachadas. Há no mercado, lâmpadas LED de muitas cores.

Esperamos que as dicas acima ajudem a encontrar a iluminação que oferecer maior custo-benefício ao escolher os tipos de lâmpadas. Se ainda restarem dúvidas ou se você tiver alguma dica para uma iluminação bonita e eficiente deixe seu comentário!

Bandeiras tarifárias: entenda como funciona

Já faz algum tempo, as contas de luz de todos os brasileiros passaram a trazer consigo um indicador colorido, chamado bandeira tarifária. De acordo com a cor exibida, a conta passa a ser calculada tendo outros valores como base. Mas você sabe funciona esse sistema? Acompanhe nosso post e conheça mais sobre as bandeiras tarifárias.

Para que servem as bandeiras tarifárias?

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), como uma forma de apresentar ao consumidor como os custos com geração de energia elétrica pesam em sua conta de luz.

A informação de quantos kWh (quilowatt-hora) foram consumidos em determinada residência no espaço de tempo de um mês, já existia em todas as contas. A novidade foi deixar claro quanto de acréscimo na conta estava sendo repassado em função do aumento de custos. Como o custo com a geração de energia é variável, principalmente por contarmos com uma matriz energética baseada em hidrelétricas, sujeitas a seca, por exemplo, o valor que chega até o contribuinte também passa a variar.

Qual o benefício prático da adoção esse sistema?

Antes da adoção do sistema de bandeiras tarifárias, toda a variação de custos na produção da energia era acumulado por um período médio de doze meses e repassado de uma só vez ao contribuinte, através dos reajustes nas tarifas. O sistema de bandeiras e da variação de tarifa permite que o aumento seja repassado quando os custos de fato aumentarem, o que implica em um aumento menor, fazendo com que o valor cobrado diminua em função do barateamento dos custos de produção. No modelo antigo, dificilmente as contas podiam ser barateadas, justamente por serem reajustadas tendo como base o cálculo dos custos de todo um ano.

Além disso, ficou mais fácil para o consumidor acompanhar seu consumo de energia. Agora a informação aparece destacada, permitindo um maior controle em cada residência ou comércio. Identificar o consumo excessivo é o primeiro passo para realizar sua redução.

Entendendo as cores de cada bandeira

O sistema de bandeiras tarifárias está divido em três cores: verde, amarela e vermelha. Sua escolha não foi aleatória. A ideia é mesmo remeter às cores do sinal de trânsito, cujos significados aprendemos desde pequenos. Quem não se lembra do “verde = siga”, “amarelo = atenção” e “vermelho = pare”? Pois a lógica é semelhante.

  • Bandeira verde: significa que as condições para geração de energia estão favoráveis. Custos dentro do previsto, reservatórios cheios, abastecimento garantido. Com essa bandeira, não há mudança no cálculo da base tarifária.

  • Bandeira amarela: as condições para a geração de energia já não são tão favoráveis quanto na bandeira verde. É preciso ter atenção e cautela. Com essa bandeira, há o acréscimo de R$ 1,50 a cada 100 kWh consumidos em um mês.

  • Bandeira vermelha: sinaliza para um período crítico na geração de energia no país. Em geral, o aumento do custo simbolizado por essa bandeira tem relação com a incapacidade das usinas hidrelétricas de produzirem toda a energia demandada e a consequente necessidade de acionamento das usinas termoelétricas, cujo custo de produção é maior. A bandeira vermelha é subdividida em dois patamares:

    • No patamar 1, são acrescidos R$ 3,00 a cada 100 kWh consumidos;

    • Já no patamar 2, quando a situação é mais crítica, são acrescidos R$ 4,50 a cada 100 kWh consumidos.

Mais do que punir o consumidor ou gerar lucro para as fornecedoras, o sistema de bandeiras serve para educar. Tendo ciência de seus gastos e vendo-os refletidos em seu bolso, sobretudo em momentos críticos da geração de energia, o consumidor acaba sendo levado a repensar seus hábitos, reduzindo seu consumo.

Adotar alternativas energéticas para seu lar ou comércio, observando quais equipamentos e utensílios gastam mais energia, é um bom caminho. O chuveiro elétrico, por exemplo, é um vilão da conta de energia. Que tal apostar na energia solar, uma alternativa barata e eficiente, para o aquecimento da água, economizando assim na conta de luz? Buscando soluções, o impacto das bandeiras será minimizado pois o próprio consumo terá sido racionalizado.

Agora que você já conhece mais sobre as bandeiras tarifárias, alguma ideia para controlar seu consumo? Comente e compartilhe sua opinião conosco!

 

Fale com um especialista

 

5 razões para ter um aquecedor solar em sua casa

Apesar de ser uma energia em expansão no Brasil, as vantagens do uso de energia solar residencial ainda são obscuras para muitos. A verdade é que, em tempos de escassez de chuva e com o aumento das taxas de energia elétrica das distribuidoras, investir em um aquecedor solar para sua casa pode ser uma ótima opção! Veja, a seguir, algumas das vantagens e inicie seu projeto agora mesmo:

Sentindo no bolso

A primeira vantagem para quem quer instalar o aquecedor solar em casa, e a que mais chama a atenção, é a economia. O sistema servirá para aquecer toda a água da sua residência. Para quem não sabe, quando utilizamos a energia elétrica para esse aquecimento, ele pode chegar a representar 35% do consumo de energia total!

Muita coisa, não? Dessa forma, quem utiliza de um sistema de aquecimento solar poderá economizar mensalmente na conta de luz, garantindo o retorno do investimento feito com a instalação em cerca de 5 anos ou até menos.

Valorizando seu imóvel

Outra vantagem financeira é a valorização do imóvel. O mercado imobiliário tem considerado a eficiência energética da casa como fator que influencia diretamente na determinação do preço de um imóvel.

Residências que já possuem esse sistema, ou que já foram construídas preparadas para recebê-lo, estão sendo cada vez mais procuradas, o que aumenta seu valor no mercado. Isso acontece também porque algumas legislações municipais preveem redução de impostos para quem adota esse tipo de solução.

Contribuindo com o meio ambiente

É fato conhecido que a maior parte dos tipos de energia utilizados no mundo oferecem grandes riscos ao meio ambiente. No Brasil, por exemplo, nossa energia é gerada a partir de hidro e termelétricas, que possuem altos índices de desmatamento e de impacto ambiental.

A energia solar é uma forma limpa e abundante de energia. Quem opta por utilizá-la, não só gera uma economia financeira, como também contribui para a diminuição dos riscos ao meio ambiente, tornando sua residência mais sustentável.

Garantindo conforto e qualidade de vida

Muitos se preocupam com a falta de água aquecida quando for noite ou quando o tempo estiver nublado. Porém, um sistema de aquecimento solar é feito de tal forma a garantir que este funcione mesmo que se passem alguns dias sem incidência de luz solar.

Além disso, como a quantidade de água aquecida nesse caso é mais abundante do que quando utilizamos um chuveiro elétrico normal, é possível assegurar conforto aos moradores, uma vez que a temperatura da água é controlada mesclando água fria com a água quente do aquecedor.

Mantendo com poucos custos

Por último, a manutenção de um aquecedor solar é bem simples e barata, podendo ser feita até mesmo pelos próprios moradores.

Tudo que o sistema requer é uma boa limpeza semestral das placas, que pode ser feita só com água e sabão, para retirar a poeira que se sobrepõe a elas, evitando o bloqueio da captação da luz do sol.

Na parte hidráulica, basta estar atento a vazamentos, assegurando a integridade do sistema, que tem um tempo de vida estimado em cerca de 30 anos!

Pronto para iniciar o projeto de instalação do aquecedor solar na sua casa? Lembre-se de comentar no nosso post e nos contar um pouco como tem sido sua empreitada!

Fale com um especialista

 

Quais as vantagens de usar um coletor solar de piscina?

Não há sensação melhor do que mergulhar em uma piscina. De água doce, confortável, sem o sal que estraga a praia, a piscina é um item reanimador e relaxante. Esse conforto, no entanto, tem preço, tanto financeiro quanto ambiental. Por isso é importante saber como usufruir desse bem sem dor no bolso e na consciência.

Você já ouviu falar em coletores solares de piscina? Continue lendo e descubra as vantagens de instalar esse aquecedor na sua casa!

Conjuntura

Por um longo período de tempo o brasileiro esteve à margem das novidades tecnológicas. O motivo para isso não era desinformação ou desconhecimento, mas o alto custo para trazê-las ao país. Com a redução dos custos de importação e, principalmente, pela possibilidade de produzir tecnologias semelhantes no país, essa situação mudou.

Nesse sentido, instrumentos de bom custo-benefício que garantam o conforto das famílias e promovam uma melhor qualidade de vida têm lugar cativo na lista de compras do consumidor brasileiro. Com essas facilidades, o consumo aumenta e com ele aumenta também a responsabilidade de preservar o meio ambiente e cuidar dos nossos recursos naturais.

Ecológico

Devido à importância de preservá-lo, o respeito ao meio ambiente é o primeiro motivo para aderir à energia solar para aquecer a piscina. O uso de energia solar gera praticamente nenhuma quantidade de CO², o que significa pouco prejuízo à camada de ozônio, por exemplo.

Num país tropical como o nosso, a energia solar tem um forte potencial de garantir energia barata e renovável, favorecendo ainda a redução da energia via fonte hidráulica e a sustentabilidade dos nossos recursos.

Economia

O interessado em possuir essa tecnologia também terá tranquilidade quanto à redução de custos. Por utilizar energia solar, que é “de graça”, é reduzida a demanda de energia via hidrelétricas ou termelétricas, ou seja, você não precisará se preocupar ou torcer para que a chuva abasteça os reservatórios.

Além disso, essa tecnologia demanda um baixo custo de manutenção. A instalação pode ser feita em qualquer piscina, independentemente da estrutura.

Aproveitamento

Outra vantagem de usar um coletor solar de piscina é a ampliação do período de uso da mesma. Ou seja, o uso da piscina não ficará restrita a apenas dias de calor ou com o sol forte.

Com a água aquecida em qualquer horário, você poderá aproveitar a sua piscina sempre. O aquecimento a torna adequada para qualquer tempo ou estação do ano e ela estará sempre à sua disposição.

Funcionamento

Mas como tudo isso é possível? O sistema de aquecimento solar visa absorver a energia do sol e transformar em energia térmica (aquecimento da água). Coletores solares são instaladas no teto da casa e interligadas à bomba d’água, e aquece diretamente a piscina, sem a necessidade de um reservatório para isso.

Apesar de todas essas informações, nunca se esqueça de um ponto fundamental: contrate uma empresa competente, experiente e com grande know-how na área de desenvolvimento, produção ou comercialização de coletores solares.

Somente isso garantirá que tudo o que foi apresentado seja entregue! E para que mais pessoas tenham acesso às vantagens da energia solar para o aquecimento de piscinas, compartilhe este artigo nas suas redes sociais! Até a próxima!

 

Fale com um especialista

Mitos e verdades sobre a energia solar

Apesar dos inegáveis ​​benefícios de utilizar a energia solar na sua casa ou empresa, ainda existem muitos mitos que podem gerar dúvidas. Diferenciar a realidade da ficção, mostrando a verdade sobre essa tecnologia, é o objetivo do post de hoje. Quer aprender mais sobre o assunto? Acompanhe!

A energia solar não funciona em climas frios e dias nublados

Mito. Provavelmente, o maior mito por trás da energia solar. Os aquecedores solares fazem a captação da energia solar ao longo do ano, mantendo um abastecimento mesmo em dias com pouca incidência solar. Nestes dias, a diferença é que a água não estará tão quente como em um dia com muita incidência solar.

Portanto, os aquecedores solares são eficientes tanto em temperaturas mais baixas como em temperaturas quentes. Um ótimo exemplo é o caso da Alemanha, que é líder mundial em energia solar residencial sem, no entanto, ter um clima ensolarado.

Coletores solares exigem manutenção constante

Mito. Os coletores solares não possuem partes móveis e não exigem manutenção regular, podendo durar até 25 anos. É recomendável limpá-los com água uma vez ao ano – uma manutenção simples, que muitos preferem deixar a cargo da chuva.

Apenas fique atento para remover grandes detritos que porventura caiam no coletor, como folhas ou objetos, para que não haja nenhuma perda na eficiência de captação solar. 

A energia solar é extremamente cara

Mito. Na verdade, a energia solar é uma escolha muito sábia para o seu bolso. O investimento inicial pode ser elevado, mas a economia gerada com a sua implementação será considerável. Estudos mostram que, em média, o valor investido em aquecedor solar é totalmente compensado dentro de 3 anos.

Energia solar te livra dos altos preços da energia elétrica

Verdade. O preço da eletricidade normalmente varia ao longo do dia, sendo mais cara nos períodos de uso mais intenso da energia, como no meio do dia e início da noite. Com a energia solar, você pode evitar essa variação de preço e obter energia barata durante todo o dia, ficando menos dependente das companhias energéticas.

A energia solar pode reduzir, e muito, a poluição

Verdade. Esta é uma grande vantagem de se investir em energia solar. A energia solar é uma energia limpa, ou seja, não faz uso de combustíveis fósseis, não polui o ambiente e não gera impactos ambientais negativos, como no caso de hidrelétricas. Investir em energia solar é um importante passo para contribuir com a melhora da qualidade do ambiente e do ar que respiramos.

Esses são os principais mitos e verdades acerca da energia solar. Você conhece outras razões pelas quais todos nós devemos converter para uso dessa energia? Você tem outras dúvidas sobre esta tecnologia? Compartilhe-as nos comentários!

 

Fale com um especialista  

 

9 hábitos para economizar água e energia durante o banho

Estamos vivendo uma época em que precisamos, a todo custo, economizar água. As represas em todo o Brasil estão secando e chegamos a um estado hídrico crítico. Com a falta desse recurso natural, também sofremos com o aumento do valor da energia elétrica, afinal, ela também necessita dos recursos hídricos para continuar chegando até nossas casas.

O desperdício acontece de várias maneiras, principalmente, durante o banho. Muitos não sabem, mas existem diversas formas de se economizar tanto água quanto energia debaixo do chuveiro. Apresentamos 9 hábitos bem simples que podem ser adotados por qualquer pessoa, sem afetar a higiene e deixando todos com a consciência tranquila.

Tomar banhos rápidos

Tomar banhos rápidos é essencial para fazer economia de energia e água. É possível, sim, banhar-se corretamente em apenas 5 minutos. Pense em toda a água que você economizará e também no dinheiro que poupará no final de cada mês.

Fechar a janela do banheiro

Você sabia que, fechando a janela do seu banheiro, é possível manter o ambiente aquecido e, com isso, reduzir a temperatura da água? Mas lembre-se de abri-la novamente após o banho tomado para que o cômodo receba ventilação e não tenha mofo no teto e paredes.

Desligue o chuveiro para se ensaboar

A dica já é bem conhecida pelas pessoas, mas poucos a seguem a risca. Com esse simples gesto, você já diminuirá o seu tempo no banho e economizará cerca de 80 litros de água. Ensaboe-se com o chuveiro fechado e o abra somente para enxaguar-se.

Fazer xixi e barba durante o banho

A economia que se tem ao fazer xixi e barbear-se durante o banho é pouca, mas ela existe, sim. São dois a nove litros de água que deixam de serem gastos com a descarga ou a torneira aberta. Você perceberá essa diferença no final de cada mês.

Trocar a banheira pelo chuveiro

Em um banho de chuveiro, você gasta 80 litros de água por pessoa. Usando a banheira, você usará 170 litros por dia. Ou seja, a diferença é muito significativa e causa um grande impacto. Dê preferência para a ducha no tempo recomendado (5 minutos).

Usar a temperatura ideal

Os chuveiros trazem a alavanca de estações para serem usadas corretamente. Ou seja, não há a mínima necessidade de usar a sua ducha marcada em inverno durante o verão. Se o dia está quente, prefira água morna ou fria para banhar-se e economizar energia.

Adequar o chuveiros para economizar água e energia

Existem hoje, no mercado, diversos modelos de chuveiros que já são adaptados para economizar água e energia. Se a sua ducha é antiga, troque-a por um produto mais novo, procurando informar-se sobre aqueles que trazem o selo de economia nas embalagens.

Utilizar o chuveirinho quando possível

Se o seu banho vai ser rápido, somente para tirar o suor ou limpar-se depressa, então dê preferência ao chuveirinho. Pode não ter uma economia de energia com essa ação, mas ele gasta menos água e isso já ajuda a não desperdiçar esse bem tão precioso.

Encher baldes de água

Muitas pessoas abrem o chuveiro antes de entrar no banho para regular a temperatura da água. Então, aproveite o que está sendo desperdiçado. Coloque um balde para captar a água que está indo embora e utilize-a posteriormente para dar descarga ou lavar o quintal, por exemplo.

Pensar em um mundo sem água é, no mínimo, desesperador. Não vamos permitir que isso aconteça. Cabe a nós colocarmos essas dicas em prática para economizar água e colaborarmos para um mundo melhor. Tem alguma outra sugestão que possa complementar o nosso post? Comente e compartilhe a sua experiência conosco. Contamos com a sua colaboração.

Instale um aquecedor solar

Com o aquecedor solar, não será mais necessário ligar o chuveiro elétrico e com isso, você economizará 100% da energia elétrica. O chuveiro elétrico só será ligado nos dias com pouca incidência solar.

Quer saber mais sobre o aquecedor solar, acesse este post.

Quer saber quanto custa um aquecedor solar? Solicite um orçamento agora