Arquitetura bioclimática: como funciona e quais são suas vantagens

A arquitetura bioclimática consiste em planejar as edificações aproveitando de forma mais eficaz as características ambientais do entorno, como insolação, vegetação e ventilação.

Pensar nas instalações considerando esses fatores impacta diretamente na eficiência da construção depois de pronta. Os ganhos são diversos e essa forma de projetar está aliada às preocupações com o meio ambiente. 

Quer saber mais sobre as características, importância e vantagens da arquitetura bioclimática? Acompanhe o post de hoje!

Características da arquitetura bioclimática

Um projeto feito com base na arquitetura bioclimática une os anseios do usuário às condições climáticas do local e aos benefícios tecnológicos.

Construir dessa forma considera a associação de elementos naturais a tecnologias disponíveis. Aqui, o objetivo é que a obra gere o mínimo de impacto, seja durante sua construção, seja ao longo de sua vida útil.

Na fase de projeto, cabe ao responsável verificar os dados climáticos e de topografia do local a construir. Ele deve pensar na implantação e instalação de forma a aproveitar as características de ventilação, insolação, ruído e vegetação, por exemplo.

Como funciona a arquitetura bioclimática

Você já ouviu falar que os quartos devem ficar em uma face específica da casa? Isso porque aproveitar o sol durante um período do dia deixa o ambiente fresco e ventilado para o horário de maior uso. É recomendado que os quartos sejam expostos ao sol da manhã, pois, dessa forma, ficarão ventilados até o entardecer. 

Na arquitetura bioclimática, a ideia é causar o menor impacto possível no meio ambiente e usufruir das suas melhores características, aproveitando a insolação, a ventilação natural e outros elementos naturais, como a vegetação. Também devem ser levados em consideração pontos como o reaproveitamento de água e a economia da energia solar.

Algumas dicas para elaborar adequadamente um projeto de arquitetura bioclimática são:

  • verificação in loco das medições;
  • planejamento da implantação da edificação;
  • conferência de ruídos;
  • projeto de reaproveitamento de águas da chuva;
  • posicionamento da vegetação e integração com a edificação.

Vantagens da arquitetura bioclimática

Como vimos, essa forma de projetar está aliada às preocupações ambientais, portanto, é uma maneira de construir um mundo mais sustentável. Muitas são as vantagens de projetar considerando as características da arquitetura bioclimática, veja:

Sustentabilidade

Com a arquitetura bioclimática, é possível aproveitar os recursos disponíveis da melhor forma possível e reduzir os impactos com gastos energéticos e sistemas complementares de climatização.

Redução dos danos ambientais

Nesse tipo de arquitetura, a construção é pensada como parte integrante do meio ambiente em que está inserida, isso diminui os problemas gerados pela edificação e reduz possíveis manutenções posteriores.

Redução do consumo de energia

Utilizando-se a ventilação adequada, a edificação fica confortável tanto no verão quanto no inverno, o que reduz a necessidade de climatizadores de ambiente, reduzindo também o consumo de energia. 

A arquitetura bioclimática tem como principal característica a ligação entre o homem e a natureza e trabalha associada à crescente preocupação com a sustentabilidade. Projetar e construir levando em conta os elementos bioclimáticos proporciona economia ao longo da vida útil da edificação.

Ademais, o uso de sistemas tecnológicos possibilita que os espaços construídos não sejam apenas simples proteção, mas proporcionem conforto e praticidade.

Gostou de saber mais sobre a arquitetura bioclimática? Que tal agora descobrir como atrair mais clientes para a sua loja de material de construções? Para isso, não perca este post!

Conheça 4 construções sustentáveis incríveis da engenharia

A construção civil moderna está se adaptando para lidar com outros fatores de projetos e processos que vão além de custo e prazo. Um exemplo é a crescente preocupação com a sustentabilidade nas obras.

Em consequência dos estudos recentes sobre o impacto das construções no meio ambiente, empreendedores, engenheiros e arquitetos precisam ter a certeza de que os novos projetos desenvolvidos funcionem de forma eficaz e não comprometam o futuro do planeta.

Essa tendência já é realidade no cenário construtivo brasileiro e, para que você se atualize sobre o tema, preparamos este post abordando a importância das construções sustentáveis e como seus conceitos têm influenciado alguns projetos no país. Vamos lá?

A importância das construções sustentáveis

A sustentabilidade é um conceito relacionado ao uso de recursos naturais, garantindo a satisfação das necessidades das gerações futuras. Construir de forma sustentável implica em aperfeiçoar os métodos e materiais para extinguir ou pelo menos diminuir o impacto causado pela edificação.

Atendendo a essas novas demandas, algumas organizações criaram certificações para avaliar o emprego da sustentabilidade durante e após a construção. A LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) e o processo AQUA (Alta Qualidade Ambiental) são exemplos que têm sido buscados por arquitetos e engenheiros.

O reconhecimento do conceito de sustentabilidade para os empreendimentos tem trazido diversas vantagens, tais como valorização e redução de custos na operação, além dos benefícios ambientais.

Confira abaixo 4 construções brasileiras mundialmente reconhecidas por usarem a sustentabilidade durante a concepção do projeto e de que forma elas foram beneficiadas pelo conceito. 

4 exemplos de projetos sustentáveis do Brasil

1. Mineirão (MG)

O Mineirão foi o primeiro estádio no Brasil a receber o selo Platinum da LEED. Após sua reforma para a copa do mundo, ele foi aprovado em oito categorias da certificação.

Entre as medidas tomadas que demonstraram preocupação com sustentabilidade, estão:

  • a reutilização e a reciclagem de mais de 90% dos resíduos gerados;
  • a doação das cadeiras antigas para escolas do interior de Minas Gerais;
  • a construção de um reservatório para armazenamento de água de chuva, sendo utilizado nas descargas dos banheiros e irrigação do campo.

Foi instalada também uma usina solar fotovoltaica, com o objetivo de gerar energia elétrica para a iluminação do estádio e para ser injetada na rede de distribuição da companhia de energia do estado.

2. Edifício Porto Brasilis (RJ)

O Porto Brasilis, edifício comercial localizado no centro do Rio de Janeiro, alcançou a certificação LEED Gold. A fachada de vidro do prédio possui uma película termo eficiente que reduz o uso de ar refrigerado ao evitar a entrada de calor, sem impedir a passagem de luz.

O prédio também conta com um sistema de reutilização da água da chuva, separação de lixo reciclável e vagas preferenciais para veículos com baixa emissão.

3. Eco Berrini Tower (SP)

O empreendimento localizado em São Paulo conta com 32 pavimentos, 5 subsolos e um edifício garagem distribuídos em 95.000 m².  

Recebeu a certificação LEED Platinum por inserir no projeto sistemas de aproveitamento de águas e pela administração de resíduos e materiais. Além disso, a eficiência energética foi garantida pela orientação das fachadas de vidro, de forma a otimizar a carga térmica do ambiente e os sistemas inteligentes de refrigeração do ar.

Em consequência de todas essas medidas, a edificação teve uma economia de 40% no consumo de água e 30% no consumo de energia.

4. Edifício Eurobusiness (PR)

No bairro Campo Cumprido, em Curitiba, o edifício Eurobusiness foi construído de forma a consumir 80% menos água e 50% menos energia. O sistema inteligente desenvolvido para os elevadores retorna a energia utilizada no equipamento para a rede elétrica do edifício. Além disso, ele possui películas termo eficientes nas fachadas de vidro e sistema de ar condicionado otimizado.

O investimento em construções sustentáveis já faz parte do cenário construtivo brasileiro, e é preciso estar cada vez mais atento a como esses conceitos podem ser aplicados em novos projetos. 

Se você gostou deste conteúdo e quer ficar ainda mais atualizado sobre o tema, não deixe de conferir nosso artigo sobre 6 dicas para construir sua casa de forma sustentável!

Sustentabilidade na construção civil: por que se preocupar com esse tema?

Falar de sustentabilidade na construção civil é de extrema importância, visto que esse é um setor que impacta bastante o meio ambiente. Para realizar uma obra, além da geração de muitos resíduos, a extração de diversos recursos naturais se faz necessária.

Porém, a ideia de sustentabilidade não é enxergada apenas pelo viés ecológico. Ela também pode ser entendida sobre três pilares principais: a ecologia, a economia e a sociedade. Isso significa que os benefícios de pensarmos de maneira sustentável serão sentidos diretamente no nosso bolso.

Pensando nisso, neste post, apresentamos alguns dos principais motivos pelos quais você deve se preocupar com esse assunto. Então, leia com atenção e saiba mais!

Construção mais barata

Apesar de diversos processos e técnicas dentro de uma obra dita sustentável parecerem caros e modernos, isso nem sempre é verdade. Existem meios simples para aprimorar a construção que, muitas vezes, são mais baratos que métodos tradicionais.

Um exemplo é o telhado verde que consiste num telhado feito com terra e plantação de gramado sobre o topo da construção. Ele pode ser usado para cobrir grandes áreas com um valor relativamente baixo. Possui ainda um bom isolamento acústico e ajuda a reter poeira.

A aplicação não precisa estar necessariamente na finalização da obra, podendo estar também durante sua execução. Além disso, o uso de materiais reciclados e de equipamentos reaproveitáveis diminuem os custos e são ecologicamente interessantes.

Eficiência energética

Um outro motivo para se considerar uma construção sustentável é a questão elétrica. Uma obra nesses moldes, ao utilizar meios mais eficientes para o aproveitamento de energia, trará economia na sua conta de eletricidade.

Os métodos mais utilizados são o aquecimento solar — que, por meio de placas, capta a irradiação do sol e converte-a em energia térmica (água quente) — e o uso de lâmpadas e eletrodomésticos com selos de certificação. Apesar desses produtos possuírem um valor mais elevado, é preciso considerá-los. Afinal, não se trata de um gasto, mas, sim, de um investimento com retorno rápido e garantido.

Economia e reaproveitamento de água

Ao construirmos, obviamente, precisamos de uma boa quantidade de água, na medida em que ela será usada em diversos processos durante a execução do projeto. Após a finalização, também a utilizamos no dia a dia da casa, afinal, ela é indispensável para a vida.

Devido à sua importância, é crucial encontrar meios para economizá-la. Durante o andamento da construção, é possível fazer isso utilizando concreto ecologicamente correto, que gasta menos água para a sua fabricação. Já no cotidiano, o indicado é ter um sistema hidráulico de qualidade e realizar a captação de água proveniente de chuvas para usar em limpezas ou regar plantas, por exemplo.

Maior valorização no mercado imobiliário

Apesar de um imóvel sustentável ser mais barato em sua concepção, isso não se reflete negativamente na sua venda. Pelo contrário, ao realizar um investimento para uma obra nesse esquema, ela será valorizada e poderá ser vendida por um preço maior. Isso significa que as pessoas estão dispostas a pagar mais, visto que esse gasto será compensado no futuro.

Devido aos seus benefícios, a sustentabilidade na construção civil é uma discussão que está cada vez mais em alta. Então, ao decidir construir ou reformar, converse com os profissionais envolvidos para que eles possam direcionar o seu projeto para essa vertente.

Agora que você já sabe mais sobre sustentabilidade na construção civil, que tal ter uma vida mais sustentável como um todo? Para tanto, leia este outro post com 6 dicas imperdíveis para ter uma rotina com mais sustentabilidade e comece a colocá-las em prática hoje mesmo!

Como ensinar o filho a economizar energia e água?

Tornar as crianças conscientes é um dos passos mais importantes para que, no futuro, ao se tornarem adultos, elas façam a diferença. Afinal, o nosso planeta está sofrendo os impactos dos erros que foram cometidos no passado e orientar as crianças sobre como economizar energia e água faz parte dessa mudança de hábitos necessária para se criar um futuro sustentável.

Pensando nisso, preparamos este artigo com algumas dicas de como ensinar o seu filho a economizar energia e água e incentivá-lo de uma forma simples e prática. Confira!

Mostre o quanto precisamos desses recursos

Para que se tenha essa vontade e colaboração na hora de economizar, é preciso que seu filho entenda que ajudando ele fará algo bom para si mesmo e a todos ao seu redor. Só falar, porém, pode soar muito abstrato. Que tal mostrar? Desligue tudo em casa e passem algum tempo sem energia. Com certeza, ele sentirá falta da luz, celular, televisão, computador, banho quente, do ar-condicionado…

Mostre também que a geladeira não conservaria os alimentos, não seria possível lavar roupas na máquina, as ruas não ficariam iluminadas, entre tantas outras praticidades que a energia nos dá.

Já em relação a água, a melhor maneira de demonstrar o quanto ela é vital é voltando o olhar para o nosso próprio corpo. Que tal fazer um experimento com duas plantas? Regue apenas uma, enquanto a outra não receberá água. O resultado é inevitável.

Também vale analisar a conta de água juntos, mostrar de uma maneira visual, como em baldes, o quanto se desperdiça ao deixar uma torneira aberta ao escovar os dentes ou o quanto se economizaria ao diminuir cinco minutos do banho diariamente.

Mostre que economizar energia e água andam juntos

Agora que o seu filho entendeu a importância desses recursos, mostre a ele que os dois caminham de mãos dadas. Dependendo da idade, vale a pena explicar um pouco sobre a origem da energia elétrica, que é, em maior parte, de hidrelétricas.

Assim, ele vai entender que ao reduzir o tempo no banho, ele está economizando a água que o limpa, a energia para o chuveiro e a água para que aquele eletrodoméstico funcione. É como montar um quebra-cabeça.

Fale sobre a importância da água para a humanidade

Para reforçar ainda mais essa consciência, lembre que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, água é um direito humano. Todos precisam de uma quantidade mínima de água por dia.

Deixe claro que o quanto o seu filho usa pode afetar no quanto uma outra pessoa em situação vulnerável terá disponível. Vai muito além de manter este recurso, é sobre qualquer forma de vida nesse planeta.

Estabeleça limites e regras

Com as dicas acima, ficou fácil do seu filho entender a importância de economizar energia e água. Agora, é colocar, realmente, em prática. Comece estabelecendo limites, que serão mais como direções, já que a ideia não é mandar, mas educar.

Deixe, por exemplo, um copo no banheiro e oriente que o ideal é usar apenas aquilo de água para escovar os dentes. Estabeleça um tempo máximo para o banho. Ensine-os a aproveitar a luz natural, a desligar tudo sempre que sair de um ambiente e até reutilizar a água da chuva para limpeza.

Mostre que pequenas mudanças podem fazer a diferença

Só colocar para lavar roupas que estão realmente sujas, usar um copo durante todo o dia para lavar menos louça, fechar o chuveiro na hora de se ensaboar, não ficar abrindo e fechando a geladeira, usar a vassoura mais vezes ao invés do aspirador e deixar o carro na garagem e sair de ônibus um fim de semana no mês. Pequenas mudanças também fazem a diferença!

Dê o exemplo

Essa é a principal dica! De nada adiantará ensinar tudo isso ao seu filho se você também não economizar energia e água. Ter uma referência é essencial. Portanto, faça esse papel! Mostre que é possível e mudem hábitos juntos.

Pronto! Agora você já sabe o que fazer para ensinar o seu filho a economizar energia e água. Tem outras dicas sobre como fazer isso? Compartilhe nos comentários!

5 dicas para reformar sua casa de forma sustentável

Atualmente, nenhum projeto é discutido sem considerar sua sustentabilidade. A preocupação em encontrar o equilíbrio entre as comunidades humanas e o meio ambiente já é uma prioridade em qualquer ação ou empreendimento. Quando pensamos na reforma da nossa casa, isso não pode ser diferente: cada vez mais, devemos buscar por soluções em materiais e processos que não agridem tanto o meio ambiente.

Quer saber mais sobre como fazer uma reforma sustentável na sua casa? Veja, a seguir, 5 dicas de como garantir qualidade de vida e economia para seu bolso sem prejudicar o planeta!

Instale um sistema de aquecimento solar

Um dos maiores gastos com energia elétrica dentro de casa é com o aquecimento de água. O chuveiro é, na maioria das residências, o grande vilão da conta de luz. Utilizar um sistema de aquecimento solar pode representar uma economia enorme no fim do mês, além de contribuir para a preservação do meio ambiente ao adotar o uso de uma energia limpa e inesgotável!

Reutilize a água da chuva

No Brasil, principalmente durante o verão, temos um grande volume de chuvas, e suas águas podem ser reaproveitadas em situações que não requerem água potável. Para isso, basta instalar um sistema de tubulação que capte essa água e a armazene em uma cisterna, que, posteriormente, poderá ser utilizada para regar jardins, lavar o quintal e até mesmo nas descargas.

Utilize materiais eficientes

Ao comprar os materiais para reforma, tente buscar aqueles produzidos de forma sustentável, como cimento reciclado, telhas produzidas com embalagens de longa vida e madeira de reflorestamento. Na hora de pintar as paredes, procure por tintas ecológicas, que são fabricadas com matéria-prima natural sem a utilização de insumos derivados do petróleo ou componentes sintéticos. Além de sustentáveis, essas tintas não possuem cheiro e são muito utilizadas para evitar alergias e irritações.

Elimine com consciência os resíduos de sua reforma sustentável

É normal que uma reforma gere muitos resíduos e entulhos. Porém, é possível tratá-los com responsabilidade sustentável e evitar que o descarte seja feito de forma indevida na natureza. Fazer a coleta seletiva dos materiais, reciclando o que puder ser reutilizável, é uma maneira de garantir que seu canteiro de obras contribua para a preservação do meio ambiente.

Instale descargas com duplo acionamento

Neste sistema é possível utilizar a descarga com duas vazões diferentes: 3 ou 6 litros. Ele possui dois compartimentos que podem ser acionados juntos ou separadamente, garantindo uma economia de mais de 60% no consumo de água da residência.

Mesmo após o fim da sua reforma sustentável, é importante continuar mantendo esse tipo de ação no dia a dia da casa. Que tal, por exemplo, realizar compostagem para aproveitar os resíduos orgânicos, transformando-os em adubo, e também separar um espaço para plantas e hortas domésticas?

Tudo isso pode assegurar maior qualidade de vida e muito mais saúde para você e sua família, além de bastante economia, principalmente com a energia gasta mensalmente na sua casa. A sustentabilidade não é um conceito que deve nos privar de conforto e bem-estar, mas sim cuidar do consumo desenfreado de recursos do planeta e ainda por cima nos beneficiar!

E você, já seguiu algum desses passos na sua casa? Tem alguma dúvida sobre nossas dicas de reforma sustentável? Deixe um comentário e compartilhe com a gente suas experiências!

4 provas de que a energia solar é ambientalmente sustentável

A cada dia, cresce mais a discussão sobre sustentabilidade e as atitudes que devem ser tomadas para proteger o planeta do excessivo consumo dos recursos naturais, especialmente em localidades onde estes recursos estão se esgotando a passos largos.

A grande verdade é que atitudes isoladas não conseguem ser eficientes, mas é de atitudes isoladas que pode surgir uma movimentação globalizada para tentar frear essa crise ambiental generalizada. Nessa busca, temos a luz e o calor do sol como uma forma limpa e inesgotável de energia. Mas será que a energia solar é realmente sustentável? Continue lendo e descubra:

Analisando a energia sustentável

Para podermos determinar se uma energia é sustentável ou não, precisamos inicialmente analisar quais são seus ciclos de produção e consumo. Essa análise é feita de forma bem simples: se o meio ambiente possui um potencial de produção de energia maior que o nosso consumo, dizemos que esse processo é sustentável. Com base nesse princípio, podemos dizer que o sol é realmente uma ótima fonte de energia sustentável. Além disso, há ainda o fato de que a captação da luminosidade não gera grandes impactos ambientais.

Aplicação da energia solar

O modelo mais simples e comum que encontramos de aproveitamento de energia solar no dia a dia são os Aquecedores Solares, que já são utilizados há muitos anos para o aquecimento de água em diversas residências brasileiras.

Atualmente, encontramos também os módulos fotovoltaicos, nos quais a radiação solar captada é convertida em energia elétrica, que pode, por sua vez, alimentar diversos equipamentos elétricos no local.

A durabilidade desses equipamentos também é outra grande vantagem, uma vez que tanto aquecedores solares quanto módulos fotovoltaicos de conversão de radiação solar em energia possuem uma vida útil de aproximadamente 30 anos.

O sol é abundante e inesgotável

Para nossa felicidade, o Brasil é um país que recebe uma grande insolação média: são mais de 3000 horas de brilho solar por ano. Esses dados só demonstram como a energia solar é uma excelente alternativa para a sustentabilidade em nosso país, auxiliando na economia e garantindo o futuro do nosso planeta. No caso do Nordeste do país, os dados são ainda mais satisfatórios, pois a região conta com um nível de incidência diária que varia entre 4,5 e 6kWh.

A energia solar não é poluente

A grande vantagem da energia solar é que nenhuma poluição é criada no processo de geração de eletricidade. Ambientalmente, é a energia mais limpa que há, além de ser renovável e sustentável, o que ajuda a proteger o meio ambiente.

Esse tipo de energia também não polui o ar liberando dióxido de carbono, óxidos de azoto, dióxido de enxofre ou de mercúrio para a atmosfera, como outras formas tradicionais de produção de energia elétrica fazem. Com isso em mente, podemos dizer que a energia solar não contribuirá para a poluição atmosférica, aquecimento global ou chuva ácida.

E então, conseguiu se convencer um pouco mais da sustentabilidade da energia solar? O que você acha sobre esse tema? Deixe seu comentário aqui no post, compartilhe com a gente sua opinião.

5 projetos de energia solar para ficar de olho

O aumento da tarifa de energia elétrica de meados de 2015 até este início de 2016 foi uma grande preocupação para os consumidores. Com alta de 47,74% de janeiro a setembro de 2015, o custo pesou no bolso dos brasileiros.

Este ano há uma promessa de redução ou até diminuição dos preços e reajustes da conta. Apesar disso, estamos no inverno, época em que há aumento do uso do chuveiro elétrico, um grande vilão da conta de luz.

Uma das maneiras de reduzir esse custo é usando um aquecedor solar, que diferentemente das células fotovoltaicas, que geram energia elétrica, é usado para aquecer a água usada em casa.

Além de servir para aquecer a água, a energia solar está presente em discussões por ser uma energia renovável. Junto à sustentabilidade e meio ambiente, ela é pauta de muitos projetos atualmente.

Projetos de energia solar

O Brasil é um dos poucos em que o Sol brilha mais de 3 mil horas por ano. A região nordeste tem potencial para produzir de 4,5 a 6 kWh, que entra na média de consumo diário das residências brasileiras. No mundo, Alemanha, China, Japão, Itália e EUA produzem cerca de 70% do total mundial nessa fonte. Abaixo falaremos sobre alguns projetos no Brasil e no mundo envolvendo energia solar.

Projeto Juazeiro

O projeto-piloto iniciado em outubro de 2012 e instalado em dois condomínios populares de Juazeiro – BA, criou a maior usina solar construída sobre telhados de casas do país. Além de gerar energia limpa e barata, gera renda extra aos moradores dos condomínios e treinamento de mão de obra local, formando profissionais de instalação e manutenção de painéis solares.

O projeto tem capacidade de gerar 2,1 megawatts hora (MWh), o suficiente para abastecer 3,6 mil domicílios em um ano. A energia excedente será vendida, gerando renda extra para as famílias.

Solcial

A Solcial é uma associação sem fins lucrativos (ONG), com sede em Belo Horizonte – MG, que leva energia solar até instituições filantrópicas que trazem benefício para a sociedade. O financiamento é feito através de crowdfunding ou patrocínio. Todo o dinheiro doado em uma determinada campanha é usado em benefício da instituição atendida.

Atualmente conta com dois projetos: a usina solar do Lar de Marcos, que já está funcionamento, e o Abrigo Ary Rolim Costa, ainda em processo de arrecadação. Ambas estão situadas na região metropolitana de Belo Horizonte.

Fundo Solar

Desde 2012, através da Resolução 482/2012 da ANEEL, qualquer pessoa pode gerar sua própria eletricidade e conectar seu sistema a rede de distribuição, compartilhando sua energia excedente e reduzindo a sua conta de luz em longo prazo. Ainda há a possibilidade de compartilhamento da energia produzida no seu condomínio, repartindo entre os moradores em porcentagens definidas pelos próprios consumidores.

A única desvantagem deste fundo é que somente são aceitos projetos ainda não instalados. A solicitação ao Fundo Solar deve ser aprovada antes do sistema fotovoltaico ser adquirido e estar em funcionamento. Ou seja, se você já possuir sua própria usina, não poderá participar do fundo.

Amanecer Solar CAP

Em 5 de junho de 2014 foi inaugurada a usina Amanecer Solar CAP, o maior parque solar fotovoltaico da América Latina e um dos mais importantes do mundo. Além disso, em agosto de 2015 foi concedida autorização para a construção da maior usina de energia solar do mundo, no Atacama.

Chamada de Copiapó Solar, a usina está prevista iniciar suas operações em 2019, e receberá um investimento de US$ 2 bilhões. Funcionando de maneira híbrida, produzirá energia dia e noite.

SolaRoad

A SolaRoad é a primeira ciclovia geradora de eletricidade através de placas de captação solar. As placas foram colocadas no lugar do asfalto. A SolaRoad tem extensão de 7 km, sendo a pioneira no mundo.

Após o período de estudos, que durou 3 anos, os engenheiros responsáveis consideraram o projeto melhor que o esperado.

A energia solar tem um futuro promissor. Por que você ficaria de fora? O que achou dos projetos de energia solar que listamos? Deixe seu comentário!

 

Energias alternativas: quais as vantagens do uso delas?

A energia é essencial em nossas vidas. Porém, há um grande problema relacionado a essa necessidade. Grande parte da geração de energia mundial está baseada na utilização de recursos não-renováveis (petróleo, gás natural e carvão, principalmente). E o que isso significa? Como o próprio nome já diz, eles não se renovam e, um dia, se esgotarão. Além disso, a exploração e queima desses recursos agride tremendamente o meio ambiente.

Por isso, a cada dia que passa, mais pessoas, governos e empresas têm voltado sua atenção às energias alternativas. Elas são a única forma viável capazes de manter o abastecimento energético da Terra sem o risco de colapsar o sistema e a natureza.

Quer saber sobre as energias alternativas e suas vantagens? Continue lendo o post de hoje e confira!

O que são energias alternativas?

São fontes naturais de geração de energia que podem ser utilizadas como alternativas ao uso das fontes tradicionais. A grande maioria das energias alternativas é proveniente de fontes renováveis, ou seja, que não se acabarão nunca. Essa característica, além de ser uma segurança para o abastecimento das gerações futuras, reduz imensamente os impactos ao meio ambiente. Confira abaixo os principais tipos de energias alternativas:

  • Eólica: gerada a partir da força dos ventos;
  • Solar: gerada a partir dos raios solares;
  • Geotérmica: gerada a partir do calor proveniente do núcleo da Terra;
  • Mare motriz (dos mares): gerada a partir da força das ondas;
  • Biomassa: obtida a partir da matéria orgânica de origem vegetal (cana-de-açúcar, por exemplo);
  • Nuclear: gerada por meio da fissão nuclear do átomo de urânio enriquecido;
  • Biogás: gerada a partir dos gases emitidos pela decomposição de resíduos orgânicos.

Quais as vantagens das energias alternativas?

Além do fato já citado, de as energias alternativas serem provenientes de fontes renováveis, o que garante sua utilização teoricamente infinita, grande parte dos recursos alternativos não polui o meio ambiente.

As energias renováveis também são uma maneira super eficiente e ecológica de nos tornarmos independentes da energia proveniente das fontes não-renováveis. E isso tanto em relação a de governos e cidades quanto a indivíduos e famílias que adotam os sistemas em suas casas.

A longo prazo, isso significa uma contribuição efetiva para a sustentabilidade do planeta e uma economia financeira considerável. Isso porque, apesar de um custo de instalação relativamente alto, a economia na conta de energia é tanta que o investimento se paga em pouquíssimo tempo.

Qual a melhor opção de energia alternativa para se ter em casa?

Sem dúvida, a energia solar. Os outros tipos de energias alternativas, apesar de também eficientes, não foram projetados para serem instalados em residências e demandam maquinários e equipamentos incompatíveis com espaços urbanos.

A geração de energia solar se baseia na utilização da radiação solar (inesgotável e infinita), que é captada  e convertida em calor, utilizado para aquecer a água, ou então em energia elétrica (por meio de painéis fotovoltaicos). Dependendo do dia e da região do país, é possível que a energia gerada supere a demanda da residência. O excedente gerado é, então, compartilhado com a rede pública, o que gera créditos junto à companhia. Isso pode, até mesmo, zerar a conta de energia elétrica!

Gostou desse conteúdo? Ainda restou alguma dúvida sobre energias alternativas ou gostaria de compartilhar alguma opinião sobre o assunto? Comente aqui e conte pra gente!

Os 3 principais tipos de lâmpadas para sua casa

Não é curioso pensar que se um texto abordando tipos de lâmpadas fosse escrito há alguns anos, ele não faria o menor sentido? Afinal, as lâmpadas incandescentes eram as únicas que existiam. Naquela época, economizar com a iluminação só era possível se utilizássemos a luz natural, do sol. A ordem era abrir todas as janelas durante o dia e acender as luzes à noite.

Atualmente, tudo mudou, e embora a iluminação natural do sol continue sendo utilizada, já que nada pode ser mais econômico do que ela, a lâmpada incandescente está perdendo cada vez mais espaço para os outros tipos de lâmpadas, fluorescentes e LED. Continue lendo, porque vamos ajudá-lo a escolher a melhor lâmpada para cada ambiente. Acompanhe!

Lâmpadas incandescentes

As lâmpadas antiguinhas que todos temos pelo menos uma em casa, estão cada vez mais em desuso. Elas são pouco eficientes para iluminar o ambiente e apenas 5% de sua energia é liberada em forma de luz, já a porcentagem restante é liberada em forma de calor. Além disso, elas duram bem menos tempo que os outros tipos de lâmpadas, e por isso, seu baixo valor não compensa sua pouca durabilidade em relação às outras lâmpadas.

Como usá-las aproveitando suas características?

Por terem uma luz quente (branco levemente amarelada), tornam o ambiente mais aconchegante, sendo boas para conseguir uma iluminação decorativa e reprodução de cores, além de aquecer o ambiente. Use-as em pendentes, plafons, lustres, abajures, luminárias de piso e arandelas.

Lâmpadas fluorescentes

Atualmente já são bem conhecidas e, provavelmente, as mais usadas nas residências, já que têm alta eficiência aliada ao baixo consumo de energia em comparação com as lâmpadas antigas. Ela não emite calor, e seu aproveitamento na energia luminosa é de 85%.

Quando e como usá-las?

Elas substituem as incandescentes e são utilizadas na iluminação geral e também decorativa.
É importante saber que existem três nuances de luz branca, que são variantes da iluminação branca e esta informação vem na embalagem. Exemplo: se na embalagem da lâmpada houver a informação “quente”, a luz será ligeiramente amarelada; já a palavra “fria” indica que a luz é ligeiramente azulada. Há também a luz branca tradicional, nem amarelada nem azulada, apenas branca.

Além das variantes da cor branca, há lâmpadas fluorescentes de várias cores, perfeitas para vários ambientes, inclusive para alegrar quartos infantis e criar efeitos coloridos interessantes em festas e outras ocasiões.

Lâmpadas de LED

As mais modernas e desejadas lâmpadas são também as mais inteligentes, pois possuem uma tecnologia que converte energia elétrica em luminosa sem desperdício

São também ecologicamente corretas, já que seu consumo de energia é muitíssimo baixo e têm altíssima durabilidade, o que faz compensar seu  custo maior em relação às outras. A tendência é que, com o tempo, elas custem menos por causa da concorrência e da retirada gradual das lâmpadas incandescentes do mercado.

Quando e como usar?

Use-as em substituição às lâmpadas fluorescentes, pois, como já informamos, elas são ainda mais eficientes e duradouras, além de amigas do meio ambiente. Elas ainda não emitem calor

Ainda podem ser utilizadas em spots iluminando enquanto destacam bancadas, cantinhos de leitura e objetos decorativos; assim como em  arandelas para criar efeitos na parede; na iluminação de escadas e corredores; iluminando a parte de dentro de guarda-roupas e ainda iluminam fachadas. Há no mercado, lâmpadas LED de muitas cores.

Esperamos que as dicas acima ajudem a encontrar a iluminação que oferecer maior custo-benefício ao escolher os tipos de lâmpadas. Se ainda restarem dúvidas ou se você tiver alguma dica para uma iluminação bonita e eficiente deixe seu comentário!

Mitos e verdades sobre a energia solar

Apesar dos inegáveis ​​benefícios de utilizar a energia solar na sua casa ou empresa, ainda existem muitos mitos que podem gerar dúvidas. Diferenciar a realidade da ficção, mostrando a verdade sobre essa tecnologia, é o objetivo do post de hoje. Quer aprender mais sobre o assunto? Acompanhe!

A energia solar não funciona em climas frios e dias nublados

Mito. Provavelmente, o maior mito por trás da energia solar. Os aquecedores solares fazem a captação da energia solar ao longo do ano, mantendo um abastecimento mesmo em dias com pouca incidência solar. Nestes dias, a diferença é que a água não estará tão quente como em um dia com muita incidência solar.

Portanto, os aquecedores solares são eficientes tanto em temperaturas mais baixas como em temperaturas quentes. Um ótimo exemplo é o caso da Alemanha, que é líder mundial em energia solar residencial sem, no entanto, ter um clima ensolarado.

Coletores solares exigem manutenção constante

Mito. Os coletores solares não possuem partes móveis e não exigem manutenção regular, podendo durar até 25 anos. É recomendável limpá-los com água uma vez ao ano – uma manutenção simples, que muitos preferem deixar a cargo da chuva.

Apenas fique atento para remover grandes detritos que porventura caiam no coletor, como folhas ou objetos, para que não haja nenhuma perda na eficiência de captação solar. 

A energia solar é extremamente cara

Mito. Na verdade, a energia solar é uma escolha muito sábia para o seu bolso. O investimento inicial pode ser elevado, mas a economia gerada com a sua implementação será considerável. Estudos mostram que, em média, o valor investido em aquecedor solar é totalmente compensado dentro de 3 anos.

Energia solar te livra dos altos preços da energia elétrica

Verdade. O preço da eletricidade normalmente varia ao longo do dia, sendo mais cara nos períodos de uso mais intenso da energia, como no meio do dia e início da noite. Com a energia solar, você pode evitar essa variação de preço e obter energia barata durante todo o dia, ficando menos dependente das companhias energéticas.

A energia solar pode reduzir, e muito, a poluição

Verdade. Esta é uma grande vantagem de se investir em energia solar. A energia solar é uma energia limpa, ou seja, não faz uso de combustíveis fósseis, não polui o ambiente e não gera impactos ambientais negativos, como no caso de hidrelétricas. Investir em energia solar é um importante passo para contribuir com a melhora da qualidade do ambiente e do ar que respiramos.

Esses são os principais mitos e verdades acerca da energia solar. Você conhece outras razões pelas quais todos nós devemos converter para uso dessa energia? Você tem outras dúvidas sobre esta tecnologia? Compartilhe-as nos comentários!

 

Fale com um especialista