5 coisas que não podem faltar na área da piscina

Construir uma piscina em casa é um investimento duradouro para toda a família. Seja em reuniões familiares, visita dos amigos, para a diversão das crianças ou mesmo para aliviar o calor do verão, ela sempre será usada e aproveitada ao máximo. Contudo, é indispensável se atentar aos detalhes que farão parte da área da piscina, afinal, o ambiente em volta dela deve ser um ambiente agradável e confortável para todos.

Pensando nisso, reunimos 5 dicas essenciais que não devem faltar nesse espaço. Confira!

1. Aquecedor solar

Ter uma piscina aquecida, especialmente durante os períodos mais frios do ano, é um diferencial em qualquer residência. E para isso, é muito comum recorrer a um aquecedor para manter a água na temperatura ideal.

Contudo, os modelos a gás e elétrico não são as opções mais indicadas, pois são mais caros e este último impacta diretamente no consumo de energia da sua casa. Uma boa sugestão é investir no aquecimento solar que além de sustentável, maximiza o uso da sua piscina e tem um custo de manutenção extremamente baixo.

2. Jardim

O paisagismo é uma tendência bastante ligada à área da piscina, já que a ambientação em volta desta ajuda a harmonizar o espaço deixando-o mais intimista e convidativo. E o jardim tem um grande papel aqui. Mas para que ele cumpra com a sua função de deixar o lugar mais agradável é preciso tomar alguns cuidados.

Por exemplo, use vasos de cimento que são mais duráveis, resistentes e tem um apelo estético maior. Na hora de escolher as plantas, opte por espécies que não soltem muitas folhas para não prejudicar a manutenção da limpeza da área. Flores são sempre bem-vindas, mas dê preferência as mais resistentes ao sol. Também é importante diversificar o tamanho dos arbustos para dar movimento ao jardim.

3. Iluminação na área da piscina

Na área da piscina o uso de luzes é fundamental não apenas para iluminar o ambiente como também para realçar detalhes e criar um clima mais aconchegante. Você pode usar luminárias do tipo espeto para destacar o jardim e refletores nas laterais da piscina para deixar os banhos noturnos mais seguros.

Já dentro da piscina você pode instalar lâmpadas subaquáticas. Para uma economia maior de energia vale a pena optar pelas do tipo LED, que são mais duradouras, não desperdiça energia e são mais eficientes. Luzes com tonalidades diferentes – como o azul – são uma boa aposta para dar um ar mais moderno à área.

4. Piso

A escolha do piso para a área da piscina deve ser feita com muito cuidado, pois além da questão estética há outras características que devem ser levadas em conta. Afinal, o modelo errado pode provocar queimaduras, acidentes ou escorregões.

Portanto, dê preferência a pisos antiderrapantes e atérmicos, isto é, que não aqueçam muito. Algumas opções ideais para esse tipo de ambiente são o fulget – também conhecido como granito lavado ou granilite – pedra goiás, pedra são tomé e cimentícios.

5. Capa de proteção

As capas de proteção são bastante úteis quando se trata de promover a segurança na área da piscina, impedindo que acidentes com crianças pequenas ou animais de estimação aconteçam.

Além disso, elas vedam a piscina evitando a entrada de folhas, galhos, poeira, sujeira e outros resíduos. Você ainda pode optar por uma capa térmica feita com bolhas de ar que flutuam na água e ajuda a reter o calor nela além de evitar a sua evaporação.

Gostou das nossas dicas para a sua área da piscina? Então é hora de planejar e pesquisar cada item para garantir um material de qualidade, duradouro e econômico para o ambiente.

E se você tiver outras sugestões para otimizar ainda mais esse espaço, deixe-as nos comentários!

Cuidados com a água da piscina: descubra como economizar

Uma piscina doméstica média tem a capacidade de 30 a 100 mil litros de água. Você não acha que é necessário todo o cuidado com a água dessa piscina? Claro que sim! Pelo meio ambiente e pelo seu bolso!

Manter uma piscina com responsabilidade ambiental em casa requer alguns cuidados. Mas, para isso, também é necessário que se considere a redução de custos das operações e da própria perda de água.

Veja 8 dicas de cuidados com a água da piscina que vão ajudá-lo a economizar!

1. Só faça instalações com profissionais

Quaisquer instalações de piscina, do registro ao aquecedor solar, só devem ser realizadas por pessoas experientes na atividade. Principalmente no que se refere à bomba e ao filtro. O mau dimensionamento pode acarretar a necessidade de maior número de operações de limpeza por dreno. Isso se traduz em maior consumo de água.

2. Mantenha a regularidade na manutenção

As instalações necessitam de revisões periódicas para que não comprometam a qualidade da água e não haja a necessidade de maiores consumos.

Verifique se a pessoa encarregada de executar a manutenção é bem capacitada para fazê-lo, ainda que a pessoa seja você mesmo. Pequenos erros aqui podem significar grandes perdas.

3. Verifique vazamentos constantemente

Cheque com frequência todas as instalações, bombas, filtros, tubulações e a própria piscina.

Crie uma rotina de verificação de vazamento com periodicidade curta para que, na ocorrência de danos no sistema, as perdas não cheguem a ser muito grandes.

4. Evite as perdas por evaporação

Aqui ninguém vê! Uma piscina descoberta pode perder quase 4 mil litros de água por mês por causa da evaporação.

Uma cobertura, do tipo lona plástica, pode reduzir essas perdas em cerca de 90%. Com uma vantagem incluída: protege contra sujidades em geral que exigiriam maiores esforços do sistema de limpeza.

Portanto, desenvolva o hábito de manter a piscina coberta quando não estiver em uso.

5. Mantenha uma rotina de limpeza

É imprescindível que a limpeza da piscina seja mantida em dia. Desse modo, uma peneiração inicial, seguida de aspiração de fundo e garantia de filtragem, pelo menos, durante 6 horas por dia.

Para completar os cuidados com a água da piscina, a realização do controle químico, mantendo o pH da água entre 7,2 e 7,6 e o teor de cloro residual entre 1,0 e 1,5.

Desse modo se garante uma água limpa, livre de bactérias e algas que, em pouco tempo, obrigariam a troca de toda a água da piscina.

6. Evite os transbordamentos de água

O operador da piscina deve estar atento para não mandar água demais para o tanque. O ideal é cerca de 10 a 15 cm abaixo das bordas. Desse modo, evita-se o transbordamento, que costuma ser responsável pela perda de grandes volumes de água.

7. Evite entrar na piscina com protetor solar e outros produtos

Produtos utilizados na pele e nos cabelos, ao se dispersarem na água exigem maior número de manutenções com significativa perda do volume de água.

Por essa razão, oriente os usuários que façam uso efetivo do chuveiro antes de entrar na água, em especial se estiverem utilizando cremes, protetor solar ou outros produtos na pele ou no cabelo.

8. Se a piscina contiver fontes ou quedas d’água, desligue-as

Essas instalações para efeito estético promovem muita perda de água por evaporação e, portanto, devem ser desligadas quando não forem necessárias.

Após adotar esses cuidados com a água da piscina você poderá estar seguro de estar economizando e evitando perdas desse patrimônio ambiental tão imprescindível à vida.

Gostou dessas dicas? Agora conheça, nesta leitura, as vantagens de se utilizar um aquecedor solar para piscina!

Checklist: o que eu não posso esquecer no meu novo imóvel em 2017?

Economizar um dinheiro ao fim de cada mês é o objetivo de muitas famílias, mas nem sempre sai como o planejado. Às vezes, controlar os gastos dentro de casa não é fácil. Por isso, existem certas medidas que podem ser adotadas no projeto do seu novo imóvel, e atitudes que você pode tomar no dia a dia que vão auxiliar na economia do lar, além de ajudar o meio ambiente.

Pensando nisso, preparamos um checklist para você conferir se não está esquecendo nada na hora de averiguar seu novo imóvel e começar 2017 com o pé direito. Confira!

Economia de água e energia no novo imóvel

  • Evite deixar a torneira pingando. Se ela estiver quebrada, conserte-a o mais rápido possível, e não tente apertar mais a torneira, pois isso pode desgastar a arruela e agravar o vazamento. Isso evita o desperdício de aproximadamente 2.000 litros de água no mês.

  • Coloque a geladeira em local apropriado, evitando deixá-la próxima a fogões e locais onde a exposição ao sol é constante, isso diminui o consumo de energia, fazendo com o que a geladeira trabalhe menos.

  • Troque lâmpadas incandescentes por fluorescentes ou de LED, elas são muito mais econômicas e eficientes, com grande durabilidade.

  • Faça um teste de fuga de energia, se você acha que o consumo na sua casa é menor do que a conta de luz mostra no fim do mês. É bem simples, basta desligar todas as luzes e aparelhos elétricos da casa e esperar por alguns minutos; o medidor de luz deverá parar. Se isso não acontecer, chame um eletricista; provavelmente, há fuga de energia por problemas na fiação.

Implantação de coleta seletiva em casa

Ajudar o meio ambiente é muito importante e não é nada complicado. Se você já faz a coleta seletiva em casa, ótimo; se não faz, não precisa nem esperar 2017 chegar para começar, pois é muito simples. Não vai ser necessário comprar nenhum contêiner colorido para separar o lixo.

Em uma caixa, você pode separar todo tipo de papel reciclável que for jogar fora, por exemplo: jornais, revistas, papéis de escritório, entre outros. Mas vale lembrar que eles não podem estar sujos de gordura e restos de comida.

Em outro reservatório, você deve colocar todo tipo de lixo seco que seja reciclável, como vidro, plásticos e metais. É importante ressaltar que esses materiais devem ser limpos antes de serem descartados, até porque podem causar mau cheiro, além de facilitar o trabalho de quem faz a separação para a reciclagem.

Investimento em um aquecedor solar

A energia solar é uma forma alternativa e complementar de energia, totalmente renovável, limpa e sustentável. Com 1 m² de coletor instalado, já se evita a inundação de uma área com 56 m² para geração de energia elétrica, economizando 66 litros de diesel, 55 kg de gás de cozinha, 73 litros de gasolina e evitando a queima de 220 kg de lenha por ano.

Além de ser amigo do meio ambiente, o aquecedor solar também é amigo do seu bolso, podendo proporcionar uma economia de 70% na conta de energia no fim do mês, sendo assim um investimento de retorno relativamente rápido.

E aí, gostou do nosso post? Então, deixe seu comentário falando o que não pode faltar no seu novo imóvel em 2017.

Saiba como melhorar o clima da casa

Somos afetados diretamente pelo ambiente que nos cerca. Com a rotina corrida e o estresse com trabalho e trânsito, a hora de chegar no nosso cantinho é chance de relaxar e curtir o merecido descanso. Mas e quando o clima da casa não está muito bom?

Não é preciso partir para reformas radicais ou gastar fortunas com objetos de decoração para resolver esse problema, pelo contrário! Mudar alguns detalhes pode fazer toda a diferença.

Para ajudar você nessa tarefa, preparamos um post com 8 dicas que vão deixar seu lar mais confortável. Acompanhe!

Mantenha a casa organizada

Ninguém consegue manter um lar com tudo no lugar o tempo todo, mas deixar a bagunça tomar conta traz muito desconforto. Invista em caixas, cestos e baús para guardar objetos menores do dia a dia. Se você tem crianças, incentive-as desde cedo a colocar seus brinquedos no lugar depois de usar.

Não acumule coisas em excesso

Outro fator que não colabora com o clima da casa é o excesso de objetos, especialmente aqueles que você não usa diariamente. Muitos itens de decoração expostos geram confusão visual e a sensação de caos. Armários abarrotados também dificultam a tarefa de encontrar o que se está procurando.

Priorize os objetos com significado

Uma boa dica para selecionar o que vai permanecer na sua casa é dar prioridades aos objetos com valor sentimental. As fotos da família, lembrança de uma viagem de férias ou aquela manta feita à mão por uma pessoa querida vão trazer um toque especial de carinho para o seu lar.

Mostre sua personalidade

É muito legal buscar inspiração em revistas e sites ou até contratar um profissional para cuidar da decoração da sua casa. Só não se esqueça de que um verdadeiro lar precisa refletir a personalidade e o estilo dos moradores. Dedique um tempo para escolher com cuidado aquelas peças que representam você!

Use cores com atenção

Um ambiente com cores muito claras pode trazer a sensação de monotonia, já o exagero de tonalidades fortes geram desconforto. A dica é investir em tons neutros para a base da decoração, usando as cores mais vibrantes em detalhes, alguns móveis ou uma parede, por exemplo.

Tenha flores e plantas naturais

Para trazer ainda mais aconchego ao seu lar, invista em plantas naturais. As folhas e flores dão um toque de vida e carinho ao ambiente. Se a sua casa passa a maior parte do tempo fechada, opte por plantas mais resistentes e que precisam de menos cuidado. Já se você tiver uma varanda ou terraço com espaço, uma pequena horta cai muito bem.

Invista em aquecimento solar

Poucas coisas são mais relaxantes que um bom banho. Com o uso do aquecedor solar é possível controlar melhor a temperatura do chuveiro, que normalmente tem uma pressão de água superior aos elétricos, além de economizar energia

Controle o clima da casa com iluminação

Aposte na luz natural para trazer mais alegria aos cômodos. O sol faz bem para o nosso organismo e a iluminação natural colabora para uma rotina mais sustentável. Opte por lâmpadas mais econômicas e com controle de luminosidade. Assim é possível variar a intensidade e criar o ambiente perfeito para cada momento.

É possível ter uma casa confortável sem estourar o orçamento. Seguindo essas sugestões e fazendo escolhas inteligentes, você terá um ambiente com a sua cara, que trará mais satisfação e tranquilidade. 

Se você curtiu as informações que trouxemos ou tem mais alguma dica para melhorar o clima da casa, deixe seu comentário!

Quais as melhores alternativas para deixar a sua casa mais agradável?

Nosso lar é um refúgio pessoal que deve priorizar funcionalidade e conforto. Por isso, estamos sempre em busca de soluções para deixar a casa agradável, aliando comodidade às nossas preferências.

Para te ajudar a tornar seu cantinho mais aconchegante e ainda colaborar com o meio ambiente, separamos 4 dicas que te ajudarão a deixar o espaço mais otimizado e eco-friendly (amigavelmente ecológico).

1. Plantas para uma melhor qualidade no ar

Você sabia que a presença de plantas em casa garante uma melhor qualidade para o ar? Isso acontece porque as plantas ajudam a aumentar os níveis de umidade, diminuindo a presença de pó e outras substâncias poluentes.

As plantas são grandes produtoras de oxigênio, colaboram para sensação de bem-estar e também na diminuição do estresse.

Além disso, cuidar das plantas é visto por muitos como um processo terapêutico, e não é preciso muito espaço para essa atividade. Com grande variedade de espécies, é possível encontrar alguma que se adapte ao seu espaço ou estilo de vida.

Já pensou em ter uma horta vertical e poder contar com temperos fresquinhos para o preparo dos seus alimentos, ou então cultivar ervas e outras plantinhas que podem ser utilizadas para tratamentos medicinais? São muitas as possibilidades!

2. Recicle e reutilize objetos, móveis e outros acessórios

A técnica de DIY (do it yourself, ou faça você mesmo, em português) vem ganhando cada vez mais espaço no universo da decoração, e é uma ótima alternativa para quem deseja deixar a casa agradável dando novo uso às peças que estavam encostadas há muito tempo.

Se uma cômoda está lascada ou com puxadores quebrados, que tal dar uma demão de tinta e comprar (ou até fazer!) puxadores novos? Além de economizar, você dá um novo visual ao móvel.

Você ainda pode usar pedaços de tecido para revestir potes de vidro e utilizar como porta-talheres, pallets para uma mesa de centro, sofá e até cama, molduras para criar quadros de anotações, entre muitas outras opções.

3. Acessórios para promover conforto

Os acessórios têm o poder de complementar e ampliar o conforto de um espaço de forma simples e prática.

Durante as estações mais frias do ano, por exemplo, a utilização de mantas e xales sobre o sofá promovem a sensação de comodidade. Outra opção que pode ser usada em temperaturas amenas são as velas aromatizadas, que além de colaborarem com o toque intimista, ainda aquecem e perfumam o espaço.

Já para as estações com maior incidência de calor, é possível trocar as capas de almofada por tecidos mais leves, utilizar vasos com flores para decorar, dar espaço para tapetes de sisal ou fibras naturais e cortinas de tecidos mais leves, como o linho.

Os acessórios também são excelentes aliados na hora de renovar o visual de um cômodo de forma versátil e acessível, sem a necessidade de grandes mudanças.

4. Iluminação inteligente

Você pode manter o projeto luminotécnico da casa do jeito que deseja sem prejudicar a natureza e ainda colaborando com o seu bolso por meio de troca simples.

Dê preferência para lâmpadas fluorescentes compactas, que minimizam a emissão de dióxido de carbono no meio ambiente.

O LED é uma das melhores alternativas para deixar a casa agradável, pois tem maior vida útil, é eficiente, não possui mercúrio e ainda não emite raios UV ou infravermelhos.

Além disso, você pode criar um circuito único que atenta os eletroeletrônicos da sua casa, como TV, DVD, computador e outros, para desligá-los ao mesmo tempo caso não estejam sendo usados e fazer o máximo de uso da luz solar durante o dia.

Se você gostou das nossas dicas e está buscando mais formas de deixar a casa agradável e economizar ao mesmo tempo, confira o nosso artigo sobre como economizar em casa!

5 dicas para garantir o conforto ambiental da sua casa de campo

Garantir o conforto ambiental da sua casa de campo é algo tão importante quanto os cuidados que você já possui com sua casa da cidade. Aquele é um recanto para você e sua família e, por isso, é claro que você vai querer mantê-lo bem aconchegante e agradável, não é?

Pensando nisso, no post de hoje trouxemos dicas incríveis para quebrar aquele clima gelado desses locais e fazer com você e sua família desfrutem sempre do melhor ambiente possível. Acompanhe!

1. Acerte na escolha dos revestimentos

Casas com pouca ou nenhuma incidência de raios solares serão sempre lugares mais frio, porém, uma casa com recursos térmicos no inverno será também confortável para o verão.

Revestimentos em porcelanato ou cerâmica são naturalmente mais frios, então o melhor é optar por madeira, carpete ou vinílicos. Vale também lembrar que a madeira é um isolante térmico natural, porém, caso não seja possível usar essa opção, cubra o piso com tapetes como uma alternativa mais acessível.

2. As paredes precisam de uma atenção especial

Para garantir o conforto ambiental de sua casa de campo, é importante também cuidar das paredes. Para paredes finas que deixem passar muito o frio ou o calor, é possível aplicar uma camada de textura, papel de parede grosso ou mesmo um tecido estampado, que deixará o ambiente bonito e confortável.

Tons escuros e quentes, como vermelhos ou marrons; a instalação de painéis de madeira ou a aplicação de cortinas encorpadas — como o linho, o shantung ou a sarja — também faz muita diferença.

3. Use vidros e esquadrias para isolar a temperatura

Casas de campo tendem a ser mais frias e as janelas podem ser um dos grandes problemas. Se sua cada possuir pouca ventilação, o ar quente e o ar frio poderão não circular adequadamente.

Para acabar com esse problema, substituir as janelas atuais por modelos com vãos maiores pode ajudar nos dois casos. Caso opte por renovar os vidros, dê preferência pelos modelos duplos, com esquadrias também duplas.

Outra opção para ajudar o calor do ambiente a não se dispersar é aplicar vidros de baixa emissividade ou low-e. Esses modelos recebem uma camada fina de metal, dificultando a passagem da temperatura entre um ambiente e outro.

4. Aposte em tecidos que ajudem a aquecer o local

Para garantir ainda mais o conforto ambiental de sua casa, não podemos deixar de fora a decoração. Especialmente para aqueles que não querem ter o trabalho de enfrentar uma reforma, pode-se usar mantas, almofadas e xales na decoração, aumento o conforto e o calor do ambiente.

A regra também é aplicada aos estofados, que devem ser forrados com tecidos que aqueçam, como o suede, a camurça ou veludo.

5. Invista em aquecedores solares

Por fim, para quem quer apostar em boas soluções de conforto ambiental para sua casa de campo, nada melhor como investir em aquecedores solares. Essa opção vai garantir tanto a economia de recursos naturais, como a economia no valor da energia.

Há diversas opções para módulos que possam ser aplicados, dependendo do tamanho da casa e da capacidade de água a ser armazenada nos módulos. Busque e aposte em empresas sérias que possam fazer ofertar a melhor opção para você e sua família.

Esperamos que tenham gostado do post de hoje e que essas dicas possam ajudá-lo a criar as melhores opções de conforto ambiental para sua casa de campo.

Quer ficar sempre por dentro de todas as novidades do nosso canal? Curta nossa página no facebook e receba os melhores conteúdos em primeira mão.

9 formas fáceis de economizar energia

As facilidades da vida moderna nos encaminham para um consumo de energia elétrica cada vez maior. A nossa sociedade já é quase totalmente dependente desse tipo de energia e pagamos caro por isso.

Não seria bom se encontrássemos formas de economizar energia, maneiras diferentes de fazer e de conduzir nossas vidas no dia a dia com mais eficiência?

Então, acompanhe essas dicas que vão fazer a diferença quando o assunto é economizar.

1. Aperfeiçoe o uso da iluminação solar durante o dia

Você pode aproveitar ao máximo a iluminação natural do dia instalando janelas amplas no lado mais ensolarado da casa. Também pode considerar a utilização de tijolos de vidros, portas com vidro e outras adequações que resultam em mais claridade. Medidas assim vão diminuir a necessidade de acender luzes durante o dia, e isso trará uma boa economia de energia.

2. Adote cores claras nas paredes e tetos

O uso de tonalidades de cores mais claras, pela reflexão da luz, mantém os ambientes mais iluminados, refletindo melhor tanto a luz natural como a proveniente de lâmpadas. As cores claras apresentam, ainda, a vantagem de uma sensação de amplitude no ambiente. 

3. Evite a prática de stand by nos aparelhos elétricos

O sistema stand by reduz o tempo de inicialização dos aparelhos elétricos, mas é um permanente consumidor de energia. Por essa razão, retire da tomada os aparelhos elétricos quando for passar algumas horas sem fazer uso deles. Apenas essa medida pode trazer economia da ordem de 10% ou mais em alguns casos.

4. Substitua as lâmpadas da casa por outras à base de LED

A tecnologia LED apresenta inúmeras vantagens sobre os demais tipos de lâmpadas existentes. Dentre elas está a economia, uma vez que é muito mais eficiente na transformação de eletricidade em luz, com mínima geração de calor.

5. Maximize a utilização da máquina de lavar e ferro de passar roupa

Máquina de lavar e ferro de passar roupa são ferrenhos gastadores de energia elétrica. Uma das formas de economizar energia é a racionalização de sua utilização. Assim, espere juntar uma quantidade de peças de roupa para lavar e passar, evitando diversas operações em momentos diferentes.

6. Considere a utilização de aquecedor solar para o chuveiro

Apenas a utilização do sistema de aquecimento solar já é capaz de economizar valores da ordem de 30% a 50% na conta de energia elétrica de uma residência.

7. Mantenha as luminárias e os globos de luz sempre limpos

A limpeza dos globos de luz e das luminárias em geral promove um maior aproveitamento da luminosidade gerada por cada ponto de luz, evitando a necessidade de acender mais pontos.

8. Regule a temperatura da geladeira conforme a época do ano

A adequação da temperatura dos refrigeradores e freezers às condições ambientais permite que se evite o consumo desnecessário de energia nas épocas mais frias do ano. Reduzir o resfriamento interno (colocar no “médio” ou no “mínimo”) do refrigerador e do freezer, além de economizar energia, evita danos a determinados alimentos pelo frio mais intenso.

9. Considere a certificação Procel quando adquirir um equipamento elétrico

O Selo Procel de Economia de Energia é uma espécie de certificação de que o produto que o possui (eletrodoméstico ou outro equipamento) é mais eficiente e consome menos energia elétrica.

Com essas nove formas de economizar energia você já dispõe de boas iniciativas para reduzir os valores em sua conta. Que tal, então, repassar essas informações a seus amigos? Compartilhe nosso conteúdo em suas redes sociais!

Quer economizar? Aprenda como calcular o consumo de energia

Todo mundo sabe que o vilão no consumo de energia elétrica em uma residência é o chuveiro, que gasta muito! Mas, felizmente, existe a grande solução com vistas à economia no orçamento doméstico: o uso do aquecimento solar. 

No entanto, existem muitos outros aparelhos além do chuveiro com os quais você gasta energia elétrica em sua casa.

Que tal se você soubesse como calcular o consumo de energia e o quanto pode economizar no chuveiro adotando um aquecedor solar, além de saber também quanto de energia (e dinheiro) os demais aparelhos consomem?

As unidades envolvidas

O consumo de energia elétrica de um aparelho é diretamente proporcional à sua potência. A potência (kW = “quilowatt”) de cada aparelho vem indicada em uma etiqueta, junto com alguns aspectos técnicos, quase sempre no mesmo local em que se vê a voltagem do aparelho. 

O tempo de utilização é medido em horas (h = “hora”). A unidade utilizada para indicar o consumo de energia elétrica dos aparelhos é o “quilowatt-hora” (kWh).

Por força da Física que estuda o assunto, tem-se que Potência (kW) = Consumo de Energia Elétrica (kWh) / Intervalo de Tempo (h).

Desse modo, um chuveiro médio tem um consumo de energia elétrica de 5,4 kWh.

O cálculo do consumo de energia

Quanto maior a potência de um aparelho elétrico, maior o seu consumo de energia quando está em funcionamento. Assim, a sua potência e o tempo que passa ligado vão indicar o consumo de energia desse aparelho.

Agora, veja como calcular o consumo de energia:

Um banho de 15 minutos (1/4 de hora ou 0,25h) naquele chuveiro médio consome, portanto: 5,4 kWh x 0,25h = 1,35 kWh (esse valor é a quantidade de energia elétrica consumida em um banho de 15 minutos em um chuveiro de consumo 5,4 kWh).

Quanto você vai pagar por essa energia consumida

Para calcular o custo da energia elétrica consumida pelo chuveiro do exemplo, é necessário saber o valor da tarifa de energia elétrica que a concessionária de energia cobra. Esse valor vem discriminado em sua conta de luz.

Supondo-se um valor de R$0,4 / kWh (um valor médio para o Brasil), no exemplo anterior, como a quantidade de energia consumida em um banho foi de 1,35 kWh, então, R$0,4/kWh X 1,35 kWh = R$0,54.

Isso significa que cada banho de 15 minutos no chuveiro do exemplo (5,4 kWh) custa R$0,54.

Se morarem 4 pessoas na casa e cada uma tomar 2 banhos por dia, tem-se R$0,54 X 4 X 2 = R$4,32. Esse é o valor dos banhos por dia nessa residência.

Desse modo, no final do mês (30 X R$4,32), só o chuveiro será responsável por R$129,60 na conta de luz. Eis porque ele é o grande vilão da história doméstica do consumo de energia elétrica. 

Então, o chuveiro é o primeiro componente da residência que deve ser adicionado em uma estratégia de economia

Por meio da tecnologia do aquecedor solar, a captação de energia solar substitui o trabalho do chuveiro elétrico, reduzindo significativamente os gastos com esse aparelho. Isso é economia!

Agora que você já sabe como calcular o consumo de energia elétrica — e como começar a poupá-la — que tal compartilhar este post nas suas redes sociais e ajudar mais pessoas a economizar? 

5 dicas para diminuir os custos na construção de sua casa

Trabalhos de construção costumam ser lentos e caros. Uma das etapas mais demoradas é a de lançamento dos alicerces, que envolve a segurança da estrutura da construção. Depois dos alicerces, seguem as paredes, que envolvem também acabamento. O processo das instalações elétricas e hidráulicas, bem como a colocação de pisos e revestimentos, são etapas trabalhosas e demoradas. A colocação da cobertura é outra etapa delicada no processo de construção e pode ficar muito cara se não for bem-feita e necessitar de constantes reparos.

Veja, neste post, algumas dicas que vão ajudá-lo a economizar na construção de uma casa, reduzindo o custo total. São dicas simples que farão toda a diferença. Confira!

Planeje muito bem antes de tudo

Sem o devido planejamento, a construção não sai. Tudo exige estudo e uma edificação precisa de planejamento redobrado. Ele deve considerar o tempo médio para a conclusão do projeto e os valores aproximados que serão gastos. É sempre melhor colocar uma margem a mais na definição dos valores e levar em conta os imprevistos.

Hoje já existem softwares de gestão, orçamento e gerenciamento de construção que ajudam a efetuar o planejamento, simulando a execução da obra em todas as suas fases, como o da Totvs ou da Sienge, por exemplo. Tais soluções permitem que haja um processo colaborativo, relacionado a um modelo padrão, com a possibilidade de integrar projetos de engenheiros e arquitetos e evitar desperdícios.

Monitore adequadamente os resíduos

Os resíduos e entulhos, que são inevitáveis, costumam encarecer o processo de construção. É preciso ficar atento ao controle adequado de materiais descartados. Essa apreciação pode reduzir em até 30% os custos com resíduos e entulhos.

Controle o material de construção

Da mesma forma que é possível desenvolver um método de controle para resíduos e materiais despejados, é possível criar um sistema de controle para a compra de materiais de construção: tijolos, cerâmica, cimento, tintas, telhas e madeiras, entre outros. Controlando esses materiais, garante-se melhor eficiência e economia — o que pode ser feito através de software específico ou planilhas, por exemplo.

Desenvolva boas práticas verdes

A construção ecologicamente sustentável costuma proporcionar melhores resultados — além de contribuir para a preservação do meio ambiente, gera maior economia. A redução de custos deve ser considerada em longo prazo também, e não somente durante a execução da obra. A estratégia permite a economia de 10% a 15% no valor total da construção, satisfazendo tanto os engenheiros, arquitetos e construtores quanto os usuários. Alguns bons exemplos de boas práticas verdes são:

  • Redução do consumo de energia;
  • Escolha de produtos que podem ser reutilizados;
  • Utilização de materiais reciclados;
  • Utilização de materiais criados a partir de fontes de energia renováveis.

Por isso, adote boas práticas verdes e considere a utilização de produtos econômicos, como as lâmpadas LED e a instalação de aquecedores solares. O aquecedor solar é um investimento interessante, pois reduz a conta de energia elétrica em até 30%. O custo inicial parece elevado, mas resulta em benefícios permanentes para a economia do morador e para o meio ambiente.

Aposte nos materiais alternativos

Considere também a possibilidade de utilizar materiais mais baratos que oferecem bons resultados. Hoje em dia, é muito comum o uso de materiais eficientes e de preços mais acessíveis, como cimento queimado, bambu, bloco isopet, adobe e até a cinza do bagaço da cana-de-açúcar. Esses materiais, além de contribuírem para uma construção ecologicamente correta, barateiam a compra de insumos na área de construção civil.

Considere sempre essas dicas: ajude a natureza e o próprio bolso! E você, já aplicou algumas dessas sugestões em obras na sua casa? Deixe seu comentário sobre como diminuir custos na construção!

Veja os aparelhos que mais gastam energia na sua casa

Hoje em dia, os sucessivos ajustes tarifários sobre a energia elétrica fazem com que seja quase inevitável o acréscimo na fatura do fim do mês. Para mudar esse cenário, economizar a energia do nosso dia a dia e desenvolver hábitos de consumo consciente são ações importantes.

Continue acompanhando este artigo e veja dicas importantes para economizar e reduzir a conta de luz. Saiba também quais os aparelhos que mais consomem energia e aumentam sua fatura!

Dicas importantes

Uma dica muito importante é deixar os aparelhos funcionando adequadamente. Dessa forma, deve-se realizar a manutenção dos equipamentos sempre que for necessário. Uma geladeira com vedação da porta inadequada fará com que o consumo de energia seja maior.

Os aparelhos como computadores, televisores e rádios devem ser desligados da tomada. Quando contrário, a luz do aparelho fica ligada (em modo stand by), consumindo energia. Por mais que seja pouco, é um detalhe que diminuirá a fatura do mês.

Outras dicas são: substituir as lâmpadas incandescentes por fluorescentes ou LED; adquirir eletrodomésticos com selo Procel A, que indica um menor consumo de energia e maior eficiência; verificar se portas e janelas estão bem fechadas e vedadas para casos de uso do ar-condicionado.

Aparelhos que mais gastam energia: quanto consome cada um?

Para evitar o susto e alcançar a economia desejada na conta de luz, é importante conhecer os aparelhos que mais gastam energia. Com o intuito de ajudar você, fizemos uma lista do consumo de energia de alguns aparelhos que influenciam e muito na fatura do fim do mês. Para o cálculo do valor, usamos como base as tarifas da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), adotando um preço médio de R$ 0,43 por KWh.

Ar-condicionado 12.000 BTUs

Este aparelho, considerado com 1.400 Watts de potência e usado por 7 horas no dia, pode ser responsável pelo consumo mensal de 294 kWh da energia, resultando em R$ 126,42 na sua fatura.

Ar-condicionado 12.000 BTUs Split

Com 1.120 Watts de potência e sendo utilizado por 7 horas no dia, pode ser responsável pelo consumo de 235,20 kWh no mês, o que equivale a R$ 101,14.

Cooktop elétrico

Este novo tipo de fogão de mesa pode chegar a gastar em torno de 68,55 kWh de energia por mês, baseando-se na sua utilização diária de 1 hora, o que soma na conta de luz R$ 29,48.

Geladeira

Aparelhos como a geladeira estão sempre ligados, porém consomem energia somente quando o motor está funcionando, o que ocorre quando necessitam repor o frio. Dessa forma, abrir e fechar a geladeira faz com que a reposição do frio seja mais constante, aumentando a conta de luz.

Uma geladeira de duas portas frost-free gasta em torno de 56,88 kWh por mês, o que equivale a R$ 24,46. Já uma geladeira de uma porta gasta, aproximadamente, a metade dessa energia.

Chuveiro

No verão, o chuveiro está normalmente programado para uma temperatura menor, fria. Assim, um chuveiro com 3.200 Watts de potência, durante um banho de 15 minutos, pode gastar em torno de 24 kWh no mês, equivalentes a R$ 10,32.

Já um chuveiro no inverno, com temperaturas programadas mais elevadas e com potência maior de 5.400 Watts, em 15 minutos de banho, será responsável pelo gasto de 40,50 kWh no mês, que equivalem a R$ 17,42.

Computador

Com 200 Watts de potência e ligado por 5 horas no dia, gasta 30 kWh no mês, o equivalente  a R$ 12,90.

Secador de cabelo

Um modelo com potência de 2.000 Watts, quando utilizado por 15 minutos, gasta 15 kWh no mês, resultando em R$ 6,45 na conta.

Micro-ondas

Considerando um modelo de 1.400 Watts de potência, que funciona 15 minutos por dia, o gasto será de 10,50 kWh no mês, o que equivale a R$ 4,52.

Lavadora de roupas de 10 litros

Com potência de 600 Watts e ligada por 2 horas no dia, é responsável pelo gasto de 36 kWh por mês, equivalentes a R$ 15,48.

Televisão

Uma televisão tubo de 20 polegadas e 150 Watts de potência, quando ligada por 7 horas no dia, gasta em torno de 31 kWh por mês, o equivalente a R$ 13,33. As televisões de monitor LCD gastam aproximadamente 50W a menos, assim ajudam na economia de alguns reais na fatura de luz.

Agora que você já sabe quais são os aparelhos que gastam mais energia na sua casa, é só seguir as dicas e esperar que a conta no fim do mês venha com um valor reduzido, ou pelo menos dentro do esperado.

Quer acompanhar mais dicas como essas? Então curta nossa página no Facebook e fique por dentro!