5 dicas para fazer um ótimo planejamento de vendas

Que o objetivo de uma empresa é aumentar suas vendas, não é novidade para ninguém. É o que mantém uma loja aberta e cria oportunidades de expansão. Mas, para isso acontecer, é necessário traçar um bom planejamento de vendas.

Com ele você determina as metas a serem alcançadas e as técnicas que serão usadas para isso. Ele é essencial, pois minimiza erros e prejuízos, além de fornecer direcionamentos eficazes para seu estabelecimento.

Se organizar é preciso e, por isso, te daremos 5 dicas importantes para você dar início ao seu planejamento. Então, leia com atenção!

1. Determine os objetivos a serem atingidos

Dizer que você deseja aumentar suas vendas é muito vago. Você precisa definir, de maneira realista, o quanto você deseja aumentar e em quanto tempo.

O aumento vem de maneira gradual e estipular uma meta evitará frustrações e possibilitará uma boa análise dos resultados. Essa meta será baseada em diversos fatores, desde o tamanho do seu empreendimento até os meses que as vendagens aumentam.

Você também pode utilizar registros de vendas da sua empresa como base para definir os objetivos possíveis. 

2. Realize uma análise completa da sua empresa

É preciso conhecer a fundo o seu negócio para realizar investimentos e ações com alta eficácia. Para isso, faça uma análise completa, levando em consideração diversos fatores como quais produtos são mais vendidos, em que época ocorrem as maiores vendas, qual é o seu público-alvo, se sua equipe de vendas se sente motivada, o que leva os clientes a comprarem na sua loja e não na concorrência etc.

Dessa maneira, você determina quais são os pontos fortes e fracos da sua companhia, podendo investir naquilo que for realmente necessário.

3. Escolha estratégias de vendas adequadas 

Existem diversas técnicas que podem ser utilizadas para aumentar as vendas de uma companhia. É preciso selecionar apenas aquelas que se adequam tanto a sua empresa quanto ao seu produto, e também aos objetivos que você visa.

Leve em consideração se você deseja conquistar clientes de outros segmentos do mercado com novos produtos, fidelizar a clientela de concorrentes, se você utilizará a internet para isso, os planos de marketing que a sua empresa tem algum tipo de identificação, entre outros pontos importantes. 

Verifique atentamente as estratégias escolhidas para que não ocorra desperdício de tempo ou prejuízo em técnicas que não funcionarão para sua firma.

4. Conheça o mercado

Mais do que conhecer a sua própria empresa, é necessário que você conheça o mercado no qual ela se encaixa, antes de dar qualquer passo.

É a melhor maneira de saber o contexto que sua loja está inserida e entender a maneira com a qual ele opera. Você poderá descobrir novos produtos, tendências e o que deve ser modificado na sua companhia.

Lembre-se: conhecer o mercado é estar um passo à frente da sua concorrência.

5. Inclua sua equipe de vendas no planejamento

Tão importante quanto suas estratégias e produtos, é possuir uma equipe de vendas treinada, capacitada e motivada. Por isso, se reúna com seus profissionais em cada etapa do planejamento e também na execução, realizando treinamento nessa fase do projeto.

Mantenha em mente que eles representam o contato direto entre a sua empresa e os clientes. Portanto, estão aptos a dizer o que o público tem a reclamar e a elogiar, o que acreditam que deve ser mudado e o que os estimulariam a alcançar maiores números de vendas.

Um planejamento de vendas é a base na qual sua empresa desenvolverá todo o projeto para alcançar o principal objetivo do mercado. Deve ser realizado com cuidado e atenção, para que o sucesso seja certeiro e o aumento de vendas seja satisfatório.

Gostou desse artigo sobre planejamento de vendas? Tem algo a acrescentar? Deixe seu comentário e nos deixe ouvir suas opiniões sobre o assunto!

Confira 5 dicas incríveis para aumentar as vendas da sua loja!

Aumentar as vendas é o principal objetivo de todo negócio. Afinal, é assim que você torna possível a manutenção de sua empresa e funcionários, além da expansão de seu empreendimento. 

Porém, é comum que os estabelecimentos sofram baixas e fiquem perdidos a respeito de quais atitudes devem tomar para aumentar sua lucratividade. Mas não se preocupe!

Neste post, mostraremos 5 dicas para que suas vendas decolem. Por isso, leia com atenção!

1. Estabeleça seus objetivos

Ao dizer que seu objetivo é aumentar as vendas, você estabelece uma meta vaga, que pode ser desestimulante. Antes de tudo, defina o valor que você precisa que seu negócio alcance, a possibilidade real desse crescimento e o tempo necessário para alcançá-lo. 

Dessa maneira, você determina alvos a serem atingidos de maneira gradual e as melhores abordagens para atingi-los, além de contar com a possibilidade de analisar os resultados obtidos em cada etapa — assim, é possível verificar se seus métodos estão adequados e, caso não estejam, modificá-los sem grandes prejuízos.

2. Saiba quem é o seu público-alvo

De nada adianta oferecer os produtos mais sofisticados e incríveis se custarem um preço que está acima do orçamento de seus clientes. Por outro lado, também não vale a pena oferecer produtos baratos e com baixa qualidade.

Por isso, é muito importante conhecer os seus consumidores. Saber o que eles procuram e quanto podem pagar vai te ajudar a escolher bem quais mercadorias oferecer, as marcas mais adequadas aos seus clientes e os preços que lhes agradam. Agindo dessa forma, você cortará gastos desnecessários e não terá mais produtos encalhados na sua loja.

3. Conheça seu produto

Certifique-se de que você e sua equipe tenham conhecimento dos itens que comercializam. Saiba explicar com tranquilidade suas vantagens e funções.

Entenda também quais são as principais dúvidas do seu público sobre seu produto. Assim, você passará credibilidade para o seu cliente, aumentando as chances de compra, pois o levará a acreditar que está fazendo um bom investimento em uma loja de confiança e que entende suas demandas.

4. Foque no diferencial da sua empresa 

Para que sua loja se destaque perante a concorrência, você deve identificar o que a torna diferente e investir nisso. 

Uma loja de construção, por exemplo, pode ter como destaque seu prazo de entrega. Isso porque atrasos nesse ramo significam prejuízo direto e dias de trabalho perdidos. 

Descubra se o seu diferencial é o preço, prazo, modo de pagamento, bons vendedores ou materiais oferecidos e invista ainda mais nesse aspecto para conquistar mais clientes.

5. Qualifique sua equipe para aumentar as vendas

A plataforma de uma empresa são as pessoas que a compõe. De nada adianta ter todos os instrumentos e práticas se seus colaboradores não estiverem preparados para o trabalho. 

Portanto, treine sua equipe para que haja um bom entrosamento, competitividade saudável e aumento da produtividade. Lembre-se de que o contato direto de seu estabelecimento com seus clientes se dá por meio dos profissionais que ali trabalham e, por isso, eles devem ser bem preparados para sua função. 

Aumentar as vendas é mais que um objetivo, é uma necessidade e deve ser tratada como tal. Realize uma boa gestão de vendas, lembrando que ela é feita por meio de diversos aspectos que devem ser considerados e adequados ao seu negócio.

Curtiu este artigo? Então, compartilhe o post nas suas redes sociais para que ele alcance mais pessoas!

Treinamento de funcionários: como impacta nas vendas?

Se você é empresário em busca de crescimento e aumento de vendas, temos um conselho fundamental para dar: invista no treinamento de funcionários de vendas.

O treinamento dos profissionais permite a qualificação da equipe e alinha o time todo aos objetivos e metas da empresa.

Neste artigo, vamos abordar a importância do treinamento dos vendedores, assim como o impacto e vantagens de se manter uma equipe treinada e qualificada. Confira.

A importância do treinamento de profissionais para sua empresa

No mundo dos esportes, a regra geral é clara: para alcançar o topo, é preciso muito esforço e treinamento.

Essa máxima esportiva também pode ser aplicada no contexto empresarial, uma vez que uma empresa é como um time, onde cada pessoa desempenha sua função e o sucesso de todos depende do coletivo.

Mas como fazer para tirar melhor proveito das habilidades de cada “jogador” para que o time renda seu máximo?

A resposta é: treine sua equipe!

Com treinamento, qualificação e conhecimento, é possível alcançar resultados sólidos e mensuráveis. 

Vantagens de uma equipe de vendas bem treinada

Motivação e competitividade dos funcionários

O treinamento da equipe de vendas estimula a competitividade saudável entre os funcionários.

Quando os membros da equipe adquirem conhecimento e qualificações, se sentem valorizados e mais motivados a trabalhar. Isso acaba gerando as buscas por melhores resultados individuais e, consequentemente, aumento de vendas.

Entrosamento da equipe

O treinamento é uma oportunidade de entrosamento da equipe e alinhamento da estratégia.

O bom relacionamento dos funcionários da empresa é um fator determinante para o sucesso da empresa, afinal, um time entrosado joga muito melhor.

Oportunidade de crescimento profissional

Um treinamento de qualidade promove a troca de conhecimentos e experiências, além de estimular o crescimento profissional dos envolvidos.

Um ponto importante a ser observado é o profissionalismo, assim como o respeito às possíveis opiniões diferentes.

Aumento da produtividade

Uma equipe preparada e motivada produz mais e melhor. Oferecer bônus de acordo com a produtividade é uma forma eficiente de incentivar a equipe e aumentar as vendas.

Equilíbrio financeiro

Investir em um treinamento de qualidade para os funcionários traz melhorias de resultados na equipe de vendas e aumento dos lucros.

De maneira geral, o treinamento de funcionários, especialmente da equipe de vendas, é muito importante para quem almeja o crescimento. Uma equipe bem treinada consegue oferecer uma solução completa ao cliente, o que resulta em um relacionamento de confiança e credibilidade.

Durante o treinamento, é possível traçar estratégias e táticas operacionais que serão úteis para toda a equipe durante a execução da tarefa.

Outro ponto importante é a fidelização do cliente, que por ser bem atendido, certamente vai voltar a fazer negócios com a empresa, além de indicar a marca aos amigos e familiares. Uma equipe preparada rende muito mais e melhor.

Invista no treinamento de funcionários e veja os benefícios proporcionados à sua empresa.

Gostou deste artigo? Temos outros conteúdos relevantes em nosso blog. Acesse e confira nosso artigo que fala sobre como produzir seu próprio aquecedor solar: Como fazer aquecedor solar? Aprenda aqui!

Piscina em condomínios: conheça os 4 principais tipos

Entre os diversos itens que valorizam um imóvel, como localização e vaga de garagem, está a área de lazer. É por isso que empreendimentos do tipo “clube” — com piscina, churrasqueira, academia, brinquedoteca e muitos outros — vêm crescendo no Brasil.

Piscina em condomínios, portanto, é fundamental para quem quer elevar o status do imóvel e atrair compradores. O que você acha de considerar esse investimento?

Para começar, conheça os 4 principais tipos de piscina disponíveis no mercado:

Tipos de piscina em condomínios

1. Concreto/Alvenaria

Não há limites para a criatividade quando se trata de piscinas em concreto. Esta opção é bastante versátil, pois pode ser construída em qualquer tamanho, formato e profundidade. Ou seja, se adapta a qualquer projeto.

O acabamento pode ser de azulejo, pedra ou pastilha. Com relação ao formato, as possibilidades são inúmeras: quadrada, retangular, oval, redonda, com desenhos variados e subdivisões em diferentes profundidades.

Com os cuidados certos, a piscina de alvenaria pode durar até 40 anos. Mas é preciso garantir uma boa impermeabilização na sua construção, com manta asfáltica ou argamassa. Existem 4 subtipos: concreto armado (que é a mais comum), blocos de concreto, painéis de concreto e above ground (“acima do solo”).

O custo de uma piscina deste tipo é mais alto que os demais, mas sua manutenção costuma ficar em conta. A obra pode levar entre 30 e 60 dias.

2. Fibra de vidro

Se o importante é reduzir custo, os modelos de fibra de vidro são os mais indicados. Por serem pré-fabricados, eles custam menos que a piscina de alvenaria (cerca de 50% do valor) e a instalação é mais rápida.

Assim, sobra dinheiro para investir na área ao redor da piscina, em que você terá que pensar mais cedo ou mais tarde.

A facilidade de manutenção é outra vantagem, já que, por ter superfície lisa, não acumula fungos e não tem frestas nas quais a sujeira possa se depositar.

Ainda, a piscina de fibra de vidro é bastante resistente a vazamentos. Entretanto, nunca deve ser esvaziada completamente, pois pode acabar quebrando.

A desvantagem é a limitação de formatos, profundidades e tamanhos. Se a personalização é fundamental no seu projeto, a piscina de fibra de vidro não será a melhor opção.

3. Vinil

A piscina de vinil é, na verdade, um revestimento para o concreto. A vantagem é que o material já tem a função de impermeabilizar e é mais rápido de instalar que pastilhas ou azulejos.

Além disso, tem baixo custo e fácil manutenção, comparada às piscinas de fibra de vidro, pois sua superfície também é lisa. Mas a instalação deve ser feita por empresa especializada para evitar rugas.

O material, entretanto, é menos durável que os concorrentes: ela dura, em média, 10 anos. Deve-se ter muito cuidado com objetos pontiagudos e cortantes, que podem rasgar e danificar o vinil.

4. Vidro

As piscinas de vidro são extremamente sofisticadas e combinam com projetos de alto padrão. Elas são bastante decorativas e, ao contrário das demais, ficam com uma parte acima do solo, para evidenciar o design.

É claro que essa sofisticação está relacionada a um alto custo: esse é o modelo mais caro do mercado.

Sua instalação também requer muita atenção. O local onde vai ficar a piscina deve ser preparado com quadros de aço inox nivelados e planos. O material, porém, não é tão frágil quanto você possa imaginar. São utilizadas várias camadas de vidros laminados compostos também por plástico altamente flexível.

Cuidados com piscina em condomínios

Depois de escolhido o tipo e modelo da piscina, cabem alguns cuidados importantes para sua instalação em condomínios:

  • se for construir sobre garagens, preveja decks elevados, para não interferir no piso a piso;

  • construa a piscina sobre a laje, desconectada da estrutura do prédio;

  • faça a impermeabilização com profissionais especializados para evitar vazamentos.

Não se esqueça, também, da manutenção periódica. E tenha sempre à mão os equipamentos e produtos específicos para piscinas.

Esperamos ter tirado suas primeiras dúvidas a respeito de piscina em condomínios. Agora, deixe seu comentário com dicas, perguntas e sugestões. Vamos adorar saber mais sobre o seu projeto!

Como ter uma equipe de instalação qualificada no seu negócio?

Uma das principais reclamações de quem contrata serviços terceirizados está ligada à falta de preparo da equipe de instalação.

Seja em razão de atrasos na entrega, da incompetência profissional ou, até mesmo, da inabilidade para lidar com as promessas da venda, a ineficiência operacional reduz a credibilidade de inúmeras empresas que atuam nos setores mais diversos possíveis.

Com o objetivo de contribuir para a devida formação dos seus colaboradores — considerando, ainda, a qualidade dos produtos e serviços prestados — elaboramos este post para mostrar a importância de formar uma equipe de instalação qualificada.     

Invista na capacitação dos funcionários  

Nada é pior para um contratante do que observar a dificuldade dos profissionais contratados na solução da demanda de instalação. Afinal, quando empresas ou pessoas físicas investem em um serviço, a premissa é de que o problema será solucionado.

Por isso, a eficiência é reflexo da existência de profissionais qualificados, com experiência no que fazem, espírito colaborativo, seriedade, disciplina, organização e motivação.

Para chegar a esse patamar, é preciso que a sua empresa invista em cursos ou treinamentos destinados aos colaboradores, visando a excelência nos serviços prestados. Afinal, quanto maior for a credibilidade, maiores serão as oportunidades de novos contratos.

Ofereça aulas práticas e teóricas aos seus funcionários, estabeleça regras e metas, invista na presença de um líder para fazer a gestão das pessoas e abra espaço para um bom relacionamento interpessoal, valorizando os profissionais que estejam sempre em busca de melhoria no que fazem.

Verifique a qualificação dos profissionais   

No entanto, antes de formar uma equipe de alta performance, vale a pena analisar o currículo e as formas de atuar dos possíveis contratados da sua empresa.

Faça uma seleção com testes práticos, dinâmicas em grupo e pessoais, investigando ainda se o candidato, realmente, cursou e concluiu o curso voltado à instalação. Coloque o líder para supervisioná-lo em um trabalho externo e analise as considerações técnicas.

Outro ponto importante é conhecer o temperamento e a inteligência emocional do colaborador, já que ele sempre estará em contato com pessoas de diferentes personalidades.

Busque referências

Buscar referências no mercado de trabalho também auxilia no momento de acertar na formação de uma equipe eficiente.

Veja em antigos locais de trabalho ou com colegas como foi a atuação de um determinado candidato e valorize os que contarem com cursos de qualificação profissional. Afinal, muita gente acaba se acomodando e isso interfere na condução dos serviços ao longo dos anos, gerando reclamações.

Faça um acompanhamento profissional    

Como existe o período de experiência para qualquer função, o momento é propício para analisar bem a atuação de um colaborador antes de fechar a equipe de instalação.

Invista em seu líder ou supervisor para que tenham bons insights e feedbacks direcionados à retenção de talentos. Cobre posições quanto à rotina e abra o diálogo com a equipe, ouvindo as críticas, sugestões e elogios.

Após formar um time campeão, a orientação é sempre investir na motivação dos colaboradores para manter o nível de excelência no serviço prestado.

Para isso, a presença do líder é fundamental, uma vez que ele será o responsável pelo exemplo positivo dentro e fora da empresa — como proatividade, relacionamentos saudáveis, espírito colaborativo, reconhecimento dos esforços, enfim, pela valorização profissional.

A oferta de incentivos também se faz necessária para manter os bons colaboradores, como um programa de participação nos lucros e resultados, bônus financeiros ou outros tipos de incentivos quando as metas forem alcançadas.  

No mais, esteja sempre por dentro dos serviços realizados, tendo uma comunicação aberta com os profissionais envolvidos. Dessa maneira, certamente, a sua equipe será sempre requisitada, desbancando a concorrência.

Agora que você já sabe como ter uma equipe de instalação qualificada no seu negócio, siga as nossas redes sociais para conferir mais conteúdos exclusivos! Estamos no Facebook e Linkedin!

Esclarecemos 6 mitos da construção e reformas

Você está pensando em construir ou reformar? Nesse momento, é comum que surjam muitas dúvidas, que, se não forem solucionadas de forma correta, podem levar a sérios problemas. Por isso, é importante ficar atento aos mitos da construção e reformas.

Veja, a seguir, 6 mitos da construção dos quais você deve fugir. Confira!

1. Construir e reformar sem profissionais é mais barato

Logo de cara, começamos com um erro crasso. Pensando em economizar algum dinheiro, muitos proprietários correm sérios riscos ao abrir mão da assessoria de profissionais como de arquitetos e engenheiros.

Ao contrário do que se pensa, o auxílio de um profissional capacitado é importante, inclusive, para que a obra seja mais barata. Além de garantir a segurança do empreendimento, um engenheiro ou arquiteto é capaz de estimar o número ideal de trabalhadores e a quantidade de material necessário para concluir a obra, evitando gastos desnecessários.

Recorrer a profissionais da área é útil, também, para evitar gastos futuros, causados pela necessidade de corrigir possíveis erros.

2. Paredes da cozinha pintadas são anti-higiênicas

Não há como afirmar que é anti-higiênico pintar as paredes da cozinha. Acontece que os revestimentos são mais fáceis de limpar, além de mais resistentes. Por outro lado, é mais caro aplica-los. Portanto, se o orçamento estiver apertado, não vale a pena comprometer a obra por conta de mais um mito. 

3. Reboco e pintura resolvem trincas e rachaduras

Mais um mito perigosíssimo. Ainda que tampar as rachaduras com uma nova pintura possa servir para disfarçá-las, o fato é que é preciso descobrir a causa. Por trás de trincas e rachaduras podem existir problemas estruturais, que não devem ser simplesmente ignorados.

O ideal é detectar e corrigir logo as razões das falhas, para que algo mais grave não aconteça no futuro. Por essas e outras, é tão importante contar com os serviços de profissionais capacitados na área.

4. Paredes mais grossas são mais resistentes

Essa afirmação até soa como verdadeira, mas se trata de mais um dos mitos da construção e reforma. A qualidade de uma parede é definida pelo seu material, e não pela sua espessura. A composição da parede de seu imóvel — seja ela feita de tijolos ou de gesso (drywall) — é que vai determinar o seu nível de resistência.

5. A inclinação do tubo impede o entupimento do esgoto

Além de um mito, trata-se de uma prática que pode provocar efeito totalmente contrário. É mais uma crença amplamente difundida entre leigos e, até mesmo, profissionais mal preparados.

Embora muitos acreditem que, ao inclinar acentuadamente o tubo do esgoto, as chances de entupimento são eliminadas, na prática, o que acontece é que, enquanto a parte líquida chega até o esgoto, os resíduos sólidos ficam retidos na própria parede do tubo, o que, logicamente, aumenta as chances de entupimento.

6. Instalar um aquecedor solar só traz prejuízos

Muito pelo contrário! Ao instalar um sistema de aquecimento solar, você está garantindo uma energia econômica e sustentável. Embora ainda não seja tão barata, a instalação não custa tanto como antigamente. Sua maior vantagem está no seu custo-benefício.

economia no consumo de energia é tamanha que, em um prazo médio de dois anos, já é possível recuperar o investimento. Levando em conta um tempo de vida útil em torno de vinte anos, vemos que afirmar que um aquecedor solar é oneroso é apenas mais um mito.

Existem várias informações que são propagadas equivocadamente e devem ser desmistificadas. Conhecendo a verdade em relação a esses mitos, você pode prosseguir com sua obra com mais tranquilidade.

E então, conhece mais alguns mitos da construção e reforma? Deixe um comentário e conte para nós!

Aprenda como fazer gestão de equipe de vendas

Se você quer aumentar seu faturamento, então é bom saber que isso tem uma relação direta com a gestão da sua equipe de vendas. Ela é a linha de frente do seu negócio e deve estar devidamente capacitada para essa tarefa.

Gerir essa equipe é um trabalho importantíssimo para o atingimento de metas e para fazer com que sua organização tenha sucesso. Ficou curioso de como fazer uma boa gestão de equipe de vendas? Veja hoje que atitudes você pode tomar para ser bem-sucedido nesse sentido.

Comece conhecendo seu time

Conhecer sua equipe é o primeiro passo. Somente assim você vai conseguir entender os pontos fortes e os que devem ser desenvolvidos em cada vendedor — o que faz uma diferença e tanto!

Se você não acredita nisso, pense que, assim, você consegue atribuir as tarefas com mais facilidade, segundo a habilidade e o potencial de cada um. O resultado disso é incrível no final do mês, pois você consegue melhorar a performance do time todo.

Alinhe os objetivos

Um ponto fundamental e estratégico é fazer com que toda a sua equipe trabalhe pelos mesmos objetivos. O primeiro passo é compartilhar esses pontos (logo após o planejamento estratégico do ano) e estabelecer objetivos para cada um dentro das metas coletivas.

Essa é uma maneira de fazer com que todos caminhem na mesma direção, o que gera ótimos resultados para qualquer instituição.

Compartilhe informações

Para fazer uma gestão de equipe de vendas eficiente, é fundamental manter o time motivado. Uma maneira de fazer isso é por meio do compartilhamento de informações, um detalhe relevante para aumentar o engajamento do time.

Mostre para seus colaboradores que eles são importantes e que, por isso, os gestores compartilham notícias, novidades e conquistas. Essa é uma maneira de fazer com que todos trabalhem juntos e com o mesmo foco.

Esse compartilhamento de informações mostra que você entende como o papel de cada um influencia o todo, pois assim você vai criar pessoas cada vez mais engajadas com o seu negócio.

Tenha confiança e delegue

Confiar que sua equipe desenvolve um trabalho bem-feito é um ponto fundamental. Esse simples detalhe faz com que cada um se sinta reconhecido e tenha cada vez mais espaço para mostrar seus talentos e habilidades.

Considerando isso, nada mais natural que começar a delegar algumas funções, concorda? Agora que todos estão alinhados, faça com que tenham autonomia para desenvolver funções mais elaboradas, pois eles vão se sentir cada vez mais motivados.

Invista em uma comunicação efetiva

Se vocês não conseguem se comunicar de forma eficiente, é bem provável que você experimente problemas na gestão da equipe de vendas. Pense que isso pode sinalizar retrabalho, pois você pode ter dois colaboradores fazendo a mesma coisa.

Para que isso não aconteça, faça com que um saiba o que o outro está fazendo e que troquem informações. Você vai perceber que os resultados serão alcançados com mais facilidade. Você pode apostar em reuniões rápidas e frequentes ou, ainda, em uma plataforma de comunicação.

Gerencie o tempo

O gerenciamento do tempo tem uma relação direta com as vendas, ainda mais em um mundo acelerado e conectado como o nosso. Use esse mecanismo para mensurar o tempo de entrega, o acompanhamento da produtividade e até mesmo a hora de traçar estratégias.

Ofereça feedbacks com frequência

É papel do gestor mostrar para cada um de seus colaboradores as suas fortalezas e pontos de melhoria. Isso é essencial para fazer com que sua equipe siga melhorando e progredindo. Você pode fazer isso individualmente (principalmente se for abordar algum ponto construtivo) e em grupo também.

Comemore quando os resultados forem alcançados, pois isso faz com que sua equipe se sinta ainda mais parte do negócio como um todo.

Depois de entender melhor como fazer gestão de equipe de vendas de forma prática e eficiente, não deixe de investir nesses pontos. Você vai se surpreender com os resultados! Para acompanhar outros conteúdos de vendas, curta nossa página nas redes sociais. Estamos no Facebook e LinkedIn!

3 tipos de aquecedores de água para vender em sua loja

A procura por aquecedores de água aumentou bastante nos últimos anos, assim como a preocupação com a economia de energia elétrica. Isso mostra que vender diversos tipos de aquecedores de água em uma loja é essencial para atender às necessidades dos clientes, levando em consideração que cada aparelho possui funcionalidades distintas.

No post de hoje, mostraremos quais são os principais tipos de aquecedores de água que não podem faltar na sua loja. Conheça cada um deles e saiba quais são suas principais características!

1. Aquecedor a gás

No geral, existem dois tipos de aquecedores a gás: de acumulação e de passagem. É interessante saber que ambos podem ser usados tanto com gás natural — aquele que é encanado e está disponível principalmente nas cidades — como o GLP, o gás tradicional de botijão.

De qualquer forma, ao disponibilizar esses aparelhos em sua loja, é importante orientar os clientes sobre o tipo de gás que será usado, para evitar qualquer tipo de problema.

Aquecedor a gás de passagem

Com modelagens mais simples ou eletrônicas, esses aquecedores são bastante eficientes no controle de energia e, apesar de menores, são capazes de aquecer rapidamente a água que passa por sua tubulação.

Contudo, a única desvantagem é simples: ao ligar o chuveiro ou abrir a torneira, a água que já estava parada no cano é a primeira a sair e vem fria, pois não há como aquecê-la.

Aquecedor a gás por acumulação

Maior do que um aquecedor a gás de passagem, o de acumulação é um tipo que oferece vantagens especiais. Uma delas é a capacidade de armazenar água quente em seu interior, o que também permite sua rápida circulação até o ponto de acesso.

Para quem procura aquecedores para atender diversos pontos — como dois chuveiros em uma mesma casa, por exemplo — esse tipo de aquecedor é o mais recomendado. Ele também é útil para demandas maiores, como para banheiras.

2. Aquecedor elétrico de acumulação

Também chamado de boiler, esse aquecedor possui formato de cilindro e é mais eficaz na produção de água quente. Ele é eficiente em locais com diversos pontos de aquecimento.

Entretanto, devido à alta capacidade e ao aquecimento feito por resistência elétrica, os aquecedores elétrico de acumulação são menos econômicos, especialmente quando servem a mais de um ponto.

Uma solução para esse problema é vender timers — temporizadores que servem para programar o melhor horário de funcionamento. 

3. Aquecedor solar

Os aquecedores solares estão entre os mais adquiridos pelos consumidores. Por isso, é essencial disponibilizar a opção em sua loja. Por ser um modelo que agrega mais sustentabilidade, esse aquecedor exige a exposição à insolação. O aquecedor solar é mais vantajoso quando existe uma demanda frequente e constante de água quente — assim, não é indicado para clientes que não necessitam água quente todos os dias, o que causaria um payback mais longo.

Por outro lado, para adquirir um aquecedor solar, o investimento é um pouco alto, mas a economia de energia também apresenta vantagens ao longo do tempo.

Aprendeu tudo o que precisava sobre esses 3 tipos de aquecedores de água que precisam ser vendidos em sua loja? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Então, deixe seu comentário em nosso post! 

4 motivos pelos quais você deve vender aquecedor solar

O aquecedor solar é um ótimo negócio, não só para quem instala em casa e vê a conta de luz reduzir drasticamente como também para as lojas que se dedicam à venda desses equipamentos.

A procura crescente por esse tipo de produto faz com que os consumidores tenham até dificuldade de encontrá-lo disponível; o que configura uma excelente oportunidade para lojistas que queiram incrementar seu mix de produtos.

Neste artigo, vamos explicar 4 razões que justificam investir na venda de aquecedores solares. Confira a lista:

1. O aquecimento solar é uma tendência em crescimento

O potencial do mercado para um aquecedor movido a energia solar é imenso e só agora começa a se revelar. O Brasil é o terceiro país do mundo no ranking de utilização de aquecedores solares, mas ainda são relativamente poucas pessoas que adotam essa tecnologia no nosso país.

A cada ano, o número de vendas de aquecedores solares aumenta. Nem mesmo a crise econômica foi capaz de retardar essa tendência: pelo contrário, para fugir da conta de luz excessiva, as pessoas recorrem à independência proporcionada pela energia solar.

2. O aquecedor solar oferece mais economia

Usar energia elétrica para esquentar água pode pesar muito no bolso. Quem opta pelo aquecimento solar economiza, em média, 40% na conta de luz. Considerando que os gastos com um equipamento desses e a sua instalação são relativamente baixos, o investimento se paga em poucos meses.

Esse argumento é imbatível quando você faz a venda para o cliente final. Quem não oferece essa opção para seus clientes corre o risco de perder competitividade.

3. A energia solar é eco-friendly

O uso do aquecimento solar também deixa a consciência mais leve. Essa é a forma mais limpa de se produzir energia: não é necessário queimar nenhum tipo de combustível como nas usinas termelétricas, nem causar um impacto ambiental imenso como as hidrelétricas. Por isso, a energia solar é eco-friendly ou seja, ecologicamente correta.

Muitos consumidores consideram o aspecto ecológico quando decidem pela escolha de energias alternativas para suas casas e empresas. Lojistas que adotam a mesma visão e defendem essa causa têm mais empatia com o seu público.

4. O uso da energia solar agora é lei

Em São Paulo, residências com quatro banheiros ou mais são obrigadas a adotar o aquecimento solar de água, segundo a lei municipal 14.459. Já aquelas com três banheiros precisam ser entregues com a infraestrutura pronta para a futura instalação do equipamento.

Essa regra revela uma demanda ainda maior por aquecedores solares na cidade de São Paulo. Mas, em breve, o mesmo deve acontecer no restante do país: o projeto de lei 5733/2009 torna obrigatório o uso de aquecedores que adotem energias alternativas em imóveis construídos com os recursos do Sistema Financeiro de Habitação (SFH).

Esse projeto já está em estágio avançado de tramitação e, em breve, deve virar lei, o que abrirá um mercado gigantesco para o equipamento.

Ou seja, vale muito a pena começar a vender aquecedores solares desde agora. Isso porque já existe muita demanda pelo produto, mas a tendência é que ela fique bem maior e seja impulsionada por leis mais ecológicas e pela própria busca do consumidor por mais economia.

Se você ainda quer saber mais motivos para vender aquecedor solar ou já está pronto para descobrir como fazer isso, entre em contato com a gente! Aguardamos você!

5 dicas incríveis para melhorar relacionamento com fornecedor

Independentemente de qual seja o segmento comercial em que sua empresa atua no mercado, um ótimo relacionamento com fornecedor e cliente é imprescindível para garantir bons resultados e manter o negócio competitivo, não é verdade?

Entretanto, muitos empreendedores de pequeno e médio porte têm dificuldades na hora de definir suas prioridades ao escolher fornecedores para suprir seus estoques. No momento de definir as condições de trabalho e os preços, muitos acabam entrando em uma relação comercial complexa.

Por isso separamos 5 dicas incríveis para você melhorar seu relacionamento com fornecedor e garantir o sucesso da empresa. Continue a leitura para conferir!

1. Atente-se às condições

Antes de fechar negócio e assinar qualquer contrato é muito importante analisar cuidadosamente todas as condições impostas pelo fornecedor, incluindo as formas e prazos de entrega, armazenamento dos produtos, preços e serviços oferecidos.

Estes aspectos são relevantes, principalmente quando a demanda é grande e a reposição dos estoques precisa ser rápida caso ocorra algum imprevisto.

Não se esqueça que seu relacionamento com fornecedor deve ser pautado no equilíbrio e não no consumo, pois a compra excessiva pode resultar em custos desnecessários, estoques parados e perda de produtos devida a validade. 

2. Defina um modelo de negócios

Não é incomum nos depararmos com empreendedores de pequeno porte, principalmente no setor do varejo, que façam negócios com diversos fornecedores diferentes.

Apesar da prática oferecer certas vantagens, é aconselhável que se defina um modelo de negócios com seus fornecedores. Pois, quanto mais fornecedores você tiver, mais dívidas e prazos distintos você terá para administrar, o que pode dificultar o controle financeiro da empresa.

É indicado que se estabeleça um modelo de negócios com uma quantidade de fornecedores em que seja possível manter um bom relacionamento. Afinal, é melhor ter menos fornecedores mas que todos sejam eficientes do que ter vários e não conseguir administrar tantos relacionamentos comerciais. 

3. Cuidado ao priorizar os preços baixos

No primeiro tópico dissemos que você deve considerar as condições do fornecedor, incluindo seus preços, correto? Entretanto, seu negócio depende da qualidade dos produtos ou serviços ofertados ao cliente para sobreviver.

Por isso, priorizar os preços baixos a ponto de ignorar outras questões importantes que circundam seu relacionamento com fornecedor é uma estratégia que pode causar resultados negativos para sua empresa.

Afinal, qual é a vantagem em adquirir produtos com preços baixos, mas que não são entregues dentro do prazo ou que sejam mal armazenados? Se algo do tipo acontecer isso resultará em problemas entre você e o cliente e comprometerá a venda.

Lembre-se que se seus clientes adquirirem produtos danificados, por mais que a culpa seja do fornecedor, quem assumirá a responsabilidade e sofrerá as consequências será você.

4. Alinhe-se à cadeia de suprimentos

Para manter um bom relacionamento com fornecedor é preciso alinhar os interesses de ambas as partes envolvidas. Por isso o conceito da cadeia de suprimentos tem sido implementado em cada vez mais empresas, incluindo as de pequeno e médio porte.

Assim como sua empresa necessita que as entregas sejam realizadas dentro do prazo, com produtos em perfeitas condições e com formas de pagamento justas, o fornecedor também depende de seus resultados de vendas para garantir a saúde financeira do negócio.

É como uma espécie de ciclo ou reação em cadeia em que uma empresa depende do bom desempenho da outra para que ambas mantenham sua rentabilidade.

5. Valorize seu fornecedor

Apesar da maioria dos empreendedores considerar que o cliente é a prioridade e o foco da empresa, é preciso reconhecer o lugar do fornecedor em seu planejamento de negócios. Pois, sem o fornecedor não há como sua empresa vender os produtos, não é verdade?

Por isso, reavalie as prioridades de seu empreendimento, considere a possibilidade de tornar seus preços mais competitivos, valorizando o fornecedor que te traz os melhores produtos para que você possa ofereça ainda mais aos seus clientes. 

Agora que você já sabe como melhorar o relacionamento com fornecedor, que tal ficar por dentro de mais conteúdos do tipo? É só nos seguir no Facebook e no Linkedin para continuar acompanhando nossas postagens semanais!